Cassiano Caligaris
Cassiano Caligaris

Aeronáutica analisa destroços para identificar causas de choque entre aviões

Aeronaves bateram de frente durante voo e caíram em área rural de Santa Bárbora D'Oeste, no interior de São Paulo; quatro pessoas morreram no acidente

O Estado de S.Paulo,

19 Agosto 2012 | 09h03

São Paulo, 19 - A Aeronáutica ainda não pode afirmar porque dois monomotores modelo Corisco, de fabricação da Embraer, bateram de frente durante um voo no interior de São Paulo. O acidente aconteceu na manhã deste sábado, 18, na altura do km 125 da Rodovia dos Bandeirantes, em Santa Barbara D' Oeste, a 141 quilômetros da capital paulista.

Quatro pessoas morreram na colisão. Os aviões caíram na Estrada Areia Branca, zona rural da cidade. Entre as vítimas estão os pilotos Araken de Oliveira Salamene e Cassiano Calligaris, além de Voninho Souza Aguiar, funcionário do Aeroporto dos Amarais, em Campinas, de onde as aeronaves decolaram, e de um sobrinho de Salamene.

As aeronaves modelo Corisco- prefixo PT-NIR, pilotada por Calligaris, e PT-NKA, sob o comando de Salamene - decolaram juntas de Campinas. De acordo com a Polícia Civil de Santa Barbara D' Oeste, ambos os pilotos eram experientes. Salamene era funcionário da companhia aérea Azul e Calligaris, piloto particular do empresário campineiro Alexandre Negrão.

Segundo informações da Aeronáutica, os aviões seguiam para Salto de Pirapora, onde seus ocupantes participariam da inauguração de um hangar no Condomínio Aeronáutico Bonanza. De acordo com o tenente-coronel da Aeronáutica, Raul Moreira Neto, ainda não é possível definir as causas do acidente.

Uma das suspeitas é de que as aeronaves voavam muito próximas uma da outra e teriam se chocado no ar porque um dos ocupantes queria fazer fotos do outro avião. A hipótese, no entanto, não foi confirmada. "Vamos analisar os destroços", afirmou Moreira Neto. "São suspeitas que passarão por investigação rigorosa."

A Polícia Técnica recolheu destroços das aeronaves para a realização de perícia. O laudo final deve ser concluído em 30 dias.

Mais conteúdo sobre:
acidenteaviões, são paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.