Reprodução
Reprodução

Advogado mata cliente com caneta e martelo após discussão

Pecuarista deu 'gravata' no dono do escritório, que reagiu e atacou com os objetos; crime aconteceu em Jales, no interior de SP

Sandro Villar, Especial para o Estado

09 Junho 2016 | 14h50

BAURU - Depois de levar uma "gravata" do pecuarista João Antônio Padula, de 53 anos, com quem discutiu por causa de uma ação, o advogado Clayton Colavite, de 32, reagiu e matou o cliente com uma caneta e um martelinho na noite desta quarta-feira, 8, em Jales, no noroeste de São Paulo.

O advogado deu uma canetada no pescoço e uma martelada na cabeça da vítima. O crime aconteceu na noite no escritório do advogado.

"Eles discutiram, e o pecuarista avançou sobre o advogado, que levou uma 'gravata' e reagiu atacando o Padula com uma caneta com ponta de metal, que deve ter atingido uma veia do pescoço", afirmou o delegado operacional Sebastião Biazi, da Polícia Civil de Jales.

O pecuarista, ex-vereador em São Francisco, também levou uma martelada na cabeça. "O advogado usou um martelinho de enfeite de mesa", explicou o policial, lembrando que a vítima era um homem forte e não teve dificuldade para dominar o advogado de baixa estatura.

Após ser detido, Colavite foi autuado por homicídio simples. Depois de explicar que nunca tinha visto alguém morrer vítima de canetada, o delegado contou que o advogado ficou em estado de choque.

"Ele não teve nenhuma reação e, por volta das 2h30 desta quinta-feira (9), familiares ligaram para o escritório preocupados. Depois, eu e outro policial fomos ao escritório", explicou Biazi, que viu "muito sangue" no local.

Legitima defesa. Ao depor na Central de Polícia Judiciária de Jales, o advogado alegou legítima defesa. Ele foi autuado por homicídio simples, cuja pena é de seis a 12 anos de prisão. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) regional acompanha o caso.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.