Advogado é preso no metrô por molestar estudante

Uma estudante de 21 anos foi molestada por um advogado na noite de anteontem dentro de um vagão da Linha 3-Vermelha do Metrô. Por volta das 18h40, ela estava em uma composição que seguia no sentido Itaquera e pretendia descer na Estação Belém, na zona leste. Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP), a estudante contou que o advogado Walter Dias Cordeiro Júnior, de 46 anos, colocou o pênis para fora da calça e passou a se esfregar nela.

MARCELA GONSALVES , BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2011 | 03h03

Em pé, dentro do trem lotado, ele teria impedido a jovem de deixar o vagão. A estudante começou a passar mal e, quando os usuários foram socorrê-la, descobriram que estava sendo molestada pelo advogado.

O assédio teria começado perto da Estação República, segundo a estudante disse à polícia, e prosseguido até o Belém.

Seguranças do Metrô levaram o advogado para a Delegacia de Polícia do Metropolitano (Delpom), na Estação Barra Funda, zona oeste. Ele foi preso em flagrante por violência sexual mediante fraude (quando o acusado tira a capacidade de resistência da vítima) e transferido ainda na noite de anteontem para a carceragem do 31º Distrito Policial, na Vila Carrão, zona leste, onde continuava preso até o final da noite de ontem. A reportagem procurou por familiares do acusado ou seu advogado, mas não conseguiu nenhum contato.

O Metrô e a CPTM registraram, até julho deste ano, 43 casos de assédio contra passageiras. Um deles, na Estação Sacomã, da Linha 2-Verde, na zona sul, foi filmado por câmeras de segurança. Uma professora de 34 anos foi atacada depois de pedir informações para um homem.

Em abril deste ano, o Metrô registrou também o primeiro caso de estupro dentro de um trem. Uma professora que seguia na Linha 2-Verde, no sentido da Vila Madalena, foi violentada por um homem com as mãos.

Na época, o Metrô havia prometido intensificar a instalação de câmeras nos vagões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.