Advogado é preso acusado de pedofilia em Higienópolis

Meninas da periferia da capital paulista recebiam R$ 50 para se encontrar com o advogado no centro

Ricardo Valota, Central de Notícias,

21 de agosto de 2009 | 10h04

Um advogado de 47 anos foi preso em Higienópolis acusado de pedofilia. Ele foi preso em seu apartamento e marcava encontros com meninas de 14 a 17 anos. Normalmente as meninas vinham da periferia de São Paulo e encontravam o advogado na Estação Santa Cecília do Metrô, na região central da capital paulista.

 

A denúncia foi feita pela mãe de uma das vítimas, que contou à polícia que um novo encontro havia sido marcado na estação. "Recebemos informações de que um advogado estava saindo com garotas de Cidade Tiradentes (zona leste), meninas com idades entre 14 e 17 anos. Com elas mantinha relação sexual, pagando 50 reais para cada uma", afirmou a delegada Deidiene Fialho Costa.

 

Os policiais seguiram o advogado após meninas entrarem no carro dele. "O carro entrou no prédio e nós, dez minutos depois. Quando entramos, localizamos ele no quarto, deitado e somente de camiseta", contou a delegada.

 

Uma alteração recente no Código Penal Brasileiro modificou o tipo de crime pelo qual o acusado deve responder. O advogado, que não tinha antecedentes criminais, vai responder por "favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração de vulnerável", o que significa induzir ou atrair à prostituição pessoas menores de 18 anos.

 

Caso condenado, ele poderá pegar uma pena de 4 a 10 anos de reclusão. A polícia tenta agora localizar pelo menos mais oito vítimas que receberam dinheiro ou presentes da advogado, que, segundo denúncias, também teria levado adolescentes para uma casa de praia.

Tudo o que sabemos sobre:
pedofilia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.