Advogada suspeita de atirar em isralense vai continuar presa

Vítima foi atingida por cinco tiros em estrada de Sertãozinho, no que seria uma tentativa de assalto em outubro

Brás Henrique, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2008 | 16h21

A advogada Odília Aparecida Prudente continuará presa na cadeia de Pradópolis, na região de Ribeirão Preto, pois a Justiça prorrogou, na quarta-feira, 3, a sua prisão temporária. Ela é suspeita de atirar no israelense Amir Shaya, de 36 anos, em 28 de outubro, na zona rural de Cruz das Posses, distrito de Sertãozinho, e é acusada de tentativa de latrocínio. Veja também:Israelense leva cinco tiros em estrada do interior de São Paulo Shaya foi atingido por cinco tiros, mas sobreviveu e voltou ao seu país em 3 de novembro. Ele estava com US$ 11,7 mil, 5 mil euros e R$ 6 mil. O dinheiro seria usado para comprar diamantes, mas não foi levado. Shaya reconheceu Odília num álbum de fotografias da polícia e a advogada foi presa em Jaboticabal. O delegado de Sertãozinho, Targino Osório, solicitou a prorrogação da prisão temporária e a juíza Adriana Aparecida de Carvalho Pedroso aceitou o pedido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.