Advogada é presa por matar pai e mãe

Roberta Tafner é acusada de planejar o duplo assassinato que chocou a Grande SP e foi executado por seu marido, também preso ontem

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

16 Dezembro 2010 | 00h00

A filha e o genro do empresário Wilson Tafner, de 64 anos, e da advogada Tereza Cobra, de 60, foram presos ontem acusados do assassinato do casal, na madrugada de 2 de outubro. A principal prova da polícia são vestígios de sangue encontrados no banheiro de Roberta Tafner, de 29 anos, e de Willians de Souza, de 31. Segundo a polícia, o sangue seria de Tereza.

O crime chocou vizinhos da família e autoridades pela brutalidade dos ataques e pelos indícios que apontavam a filha e o marido como principais suspeitos. Tafner e Tereza foram mortos a facadas, todas desferidas no rosto, enquanto dormiam em casa, localizada em um condomínio de Santana do Parnaíba, na Grande São Paulo. Roberta morava com o marido no mesmo condomínio, em uma casa que fora cedida pelo pai.

Segundo a polícia, o crime teria sido praticado por motivos financeiros. "As investigações apontam que foi por dinheiro. Willians tinha uma vida financeira instável, e gostava de ostentar", disse o delegado Zacarias Tadros, titular do setor de homicídios da Seccional de Carapicuíba, cidade vizinha. O casal estaria interessado nos imóveis, joias e apólices de seguro.

Os dois foram presos na manhã de ontem em São Bernardo do Campo, no ABC, na casa do irmão de Willians. Eles foram indiciados por duplo homicídio triplamente qualificado: motivo torpe, emprego de meio cruel e recurso que dificultou a defesa das vítimas.

A investigação aponta Willians como o executor. Ele teria sido o único a entrar na casa. O primeiro a ser atacado foi Wilson, na cama, com dez facadas. Tereza, que estava em outro quarto, ouviu os barulhos e foi até o dormitório, onde foi atingida com socos e seis facadas. "O agressor conhecia a rotina do casal, como eles viviam, as facilidades para entrar", disse o delegado. "Sabiam, inclusive, que uma amiga da família não dormiria no local."

Tadros ressalta que os golpes no rosto descortinam o perfil do assassino. " São golpes com raiva ou vingança, dirigidos contra a pessoa, contra a imagem." A polícia apreendeu três facas, duas com sangue. Uma delas, com o cabo quebrado, teria sido danificada durante o ataque.

Os dois acusados negam o crime. Segundo a polícia, os depoimentos de Roberta contêm contradições em relação a horários, trajetos e o que o casal estaria fazendo no momento do crime. O paradeiro de um molho de chaves teria causado outras dúvidas. No primeiro depoimento, estaria na bolsa de Tereza - mas depois surgiu na mão da filha.

A Justiça concedeu liminar determinando o sequestro dos bens e dos direitos hereditários pertencentes a Roberta. Foram deferidos ainda o bloqueio dos pagamentos dos seguros de vida das vítimas. Os advogados de defesa não quiseram se pronunciar porque não teriam tido acesso à decisão judicial que determinou a prisão do casal.

Willians foi para a Cadeia de Carapicuíba e Roberta para uma sala de Estado Maior em Itapevi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.