Advogada é enterrada em Guarulhos, sob gritos de ''justiça''

Laudo sai em 30 dias e polícia quer saber se Mércia foi morta antes ou depois do ex-namorado fugir de depoimento

Gisele Tamamar e Josmar Jozino, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2010 | 00h00

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) aguarda os exames do Instituto Médico-Legal (IML) no corpo da advogada Mércia Mikie Nakashima, de 28 anos, para saber o dia em que ela morreu. A Polícia Civil investiga se a morte ocorreu antes ou depois de 27 de maio, quando seu ex-namorado, o advogado e PM aposentado Mizael Bispo de Souza, de 40 anos, driblou delegados e investigadores e deixou o prédio do DHPP sem depor no caso, que então investigava apenas o desaparecimento de Mércia.

A Polícia Civil não descarta a hipótese de Bispo ter deixado o DHPP para matar a advogada em um cativeiro ou eliminar provas do crime. Anteontem, após o corpo de Mércia ter sido encontrado, policiais realizaram busca e apreensão na casa dele.

Os primeiros exames do IML no corpo da advogada apontaram fratura no maxilar. Mas o laudo final só deve sair em aproximadamente 30 dias.

Sob gritos de "justiça", o corpo de Mércia foi sepultado na manhã de ontem, no Cemitério São João Batista, em Guarulhos. A advogada estava desaparecida desde 23 de maio e seu corpo foi encontrado anteontem, na Represa Atibainha, em Nazaré Paulista, no interior paulista.

Cerca de 500 pessoas acompanharam o enterro. "Espero por justiça porque minha filha já se foi. Ela não tinha inimizades, não roubaram nada. Foi alguém que realmente queria acabar com ela", disse a mãe, Janete Nakashima. Segundo o irmão da vítima, Márcio Nakashima, a denúncia da localização do carro e do corpo da irmã partiu de um pescador. "Ele ouviu dois gritos e ligou para o 181 (disque-denúncia), mas ouviu que a polícia já estava cuidando do caso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.