Felipe Rau / AE - 12/6/2010
Felipe Rau / AE - 12/6/2010

Advogada é enterrada em Guarulhos, sob gritos de 'justiça'

Corpo de Mércia foi encontrado sexta-feira na Represa Atibainha, em Nazaré Paulista, interior de São Paulo

Gisele Tamamar, de O Estado de S. Paulo,

12 de junho de 2010 | 16h01

Sob gritos de justiça, o corpo da advogada Mércia Mikie Nakashima, de 28 anos, foi sepultado na manhã deste sábado, 12, no Cemitério São João Batista, região central de Guarulhos. A advogada estava desaparecida desde o dia 23 de maio e seu corpo foi encontrado na sexta-feira, na Represa Atibainha, em Nazaré Paulista, interior de São Paulo. O ex-namorado da vítima, Mizael Bispo, é considerado o principal suspeito do crime.

 

Cerca de 500 pessoas acompanharam o sepultamento, desde o Memorial Guarulhos, onde o corpo foi velado, até o cemitério. Faixas e fotos da advogada foram fixadas dentro e fora do velório e no cemitério. "Espero por justiça porque a minha filha já se foi. Ela era uma moça que não tinha inimizades, não roubaram nada. Não foi assalto, foi alguém que realmente queria acabar com ela", lamentou a mãe da advogada, Janete Nakashima.

 

Segundo o irmão da vítima, Márcio Nakashima, a denúncia da localização do carro e do corpo da sua irmã partiu de um pescador. "Ele ouviu dois gritos, de medo, de desespero e ligou para o 181 (dique-denúncia), mas ouviu que a polícia já estava cuidando do caso", contou.

 

"A gente não pode nem olhar para o rosto dela, não pode tocá-la. Tenho de me despedir de uma foto colada em um pedaço de madeira. É muito triste. A expectativa era encontrar a Mércia viva, mas agora, o mínimo que a gente espera é justiça", disse Márcio.

 

Os primeiros exames do IML apontaram fratura no maxilar de Mércia. Aguarda-se ainda os resultados dos exames que determinarão quais lesões foram provocadas em vida. Como o corpo ficou submerso, o exame visual foi prejudicado, mas raio X e tomografia não detectaram projéteis ou ferimentos com faca.

Tudo o que sabemos sobre:
advogadaassassinatoGuarulhosenterro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.