Advogada acusada de ter relação com PCC é morta em Araçatuba

Priscila Soraya Dib levou ao menos quatro tiros e morreu no local

Gheisa Lessa / O Estado de S. Paulo,

10 de novembro de 2012 | 17h06

Uma advogada de 33 anos, identificada como Priscila Soraya Dib, foi assassinada em um posto de gasolina, em uma das principais avenidas de Araçatuba, no interior de São Paulo, na madrugada deste sábado, 10. Depois de ter sido presa durante uma operação da Polícia Civil em setembro do ano passado, a advogada respondia na Justiça de Araçatuba a acusação de ter ligação com integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC).

O crime aconteceu por volta das 2h da manhã, de acordo com a Polícia Civil. Uma testemunha, que estava com Priscila momentos antes do assassinato, contou à polícia que a advogada foi até um posto de combustível, na esquina entre a Avenida João Arruda Brasil e a Rua Marcílio Dias, para se encontrar com amigos.

Ela estava sentada na traseira de sua caminhonete, uma Toyota Hilux, quando dois suspeitos se aproximaram em uma motocicleta e efetuaram uma série de disparos. Nenhuma outra pessoa ficou ferida.

A testemunha, que não teve identidade revelada pela Polícia Civil, disse não ter reparado nas características físicas dos atiradores por nervoso.

Ao menos quatro disparos atingiram a advogada, que não resistiu e morreu no local. Durante a perícia técnica, agentes civis contabilizaram 10 cápsulas de pistola no chão do posto. O corpo de Priscila Dib foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) da região para também ser periciado. O laudo deve ser divulgado em até 30 dias.

O caso será investigado pela Delegacia Seccional de Araçatuba, mesmo distrito policial onde o Boletim de Ocorrência foi registrado.

Vínculo com facção criminosa

Priscila Soraya Dib respondia na Justiça a acusação de ter vínculos com a facção criminosa PCC desde setembro do ano passado. Ela chegou a ser presa durante uma operação da Polícia Civil, que cumpriu mandados de busca e apreensão expedidos pelo Ministério Público, para investigar integrantes da organização criminosa em Araçatuba.

Mais conteúdo sobre:
PCCassassinatoAraçatuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.