Adolescente é suspeito de matar irmã de criação com tiro acidental

Menina de 13 anos chegou a ser levada para hospital, mas não resistiu a ferimento no tórax; jovem também ficou ferido

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

17 Setembro 2017 | 20h01

SÃO PAULO - Uma garota de 13 anos morreu após ser baleada na região do tórax na madrugada deste domingo, 17, em Ermelino Matarazzo, na zona leste da capital. Ela teria sido vítima de um disparo acidental e o suspeito é o irmão de criação da jovem, um adolescente de 12 anos, que também ficou ferido na perna esquerda.

Segundo a Polícia Civil, os adolescentes foram encaminhados para o Hospital Prof. Dr. Alípio Corrêa Netto, onde a jovem morreu. Policiais militares foram à casa deles para tentar encontrar seus pais, que não estavam no local na hora do disparo, e verificaram que havia marcas de sangue na residência. Em um quarto, eles encontraram um carregador de fuzil com 23 cartuchos íntegros de munição calibre 5.56 e 18 cartuchos íntegros de munição 9 mm, que é de uso restrito. Não havia armas de fogo no local.

Segundo a polícia, o adolescente contou no depoimento que foi a uma festa com a irmã de criação, a mãe dele e o pai dela, que são companheiros. Depois, todos voltaram para casa e o casal saiu novamente, deixando os adolescentes sozinhos. De acordo com o boletim de ocorrência, o garoto falou que encontrou uma arma em uma gaveta e, ao manuseá-la, houve um disparo acidental.

Ele pediu, então, ajuda a uma tia, que levou os dois para o hospital. Inicialmente, a versão contada pelo adolescente era de que ele e a irmã de criação tinham sido baleados em uma praça do bairro, mas, depois, disse que mentiu por medo de ser apreendido.

O Conselho Tutelar foi acionado e o adolescente ficou sob a responsabilidade da avó. O caso foi registrado no 24º DP (Ponte Rasa).

Mais conteúdo sobre:
Violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.