Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Adolescente é esfaqueado dentro de vagão do Metrô na Sé

Ataque causou tumulto na estação; jovem de 15 anos foi socorrido e levado à Santa Casa

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2017 | 23h24
Atualizado 16 Agosto 2017 | 00h40

SÃO PAULO - Um adolescente de 15 anos foi esfaqueado durante uma briga dentro de um vagão do Metrô, que seguia para Itaquera, na estação da Sé, centro de São Paulo. O agressor, Everton Lima dos Santos, de 34 anos, foi detido por seguranças metroviários e reconhecido, mais tarde, por testemunhas. O crime ocorreu às 19h20, ainda no horário de pico da tarde.  Santos foi indiciado por tentativa de homicídio com agravante de motivo torpe. 

O ataque causou tumulto na Sé. "Depois de esfaquear, ele (agressor) correu pela plataforma. Ele pulou no trilho para tentar ir para outro lado. Mas os seguranças o pegaram", contou uma testemunha, que prestou depoimento na Delegacia do Metropolitano, na Barra Funda, zona oeste. 

A testemunha contou também que Santos tentava puxar o adolescente, que estava acompanhado de um irmão, para fora do vagão. "O menino disse que não iria sair, mas o cara insistia. Até que o menino deu um tapa no cara para ele parar de puxar", conta. 

Foi aí, ainda segundo essa testemunha, Santos puxou a faca. "Depois de levar o tapa, o cara disse: 'Você está me agredindo?' e deu a facada. Foi muito rápido", contou a testemunha. 

O adolescente ficou caído no chão. Chegou a dizer "ele me esfaqueou" e "estou sangrando", antes de ser socorrido pelos seguranças do Metrô. Ele foi levado para a Santa Casa, onde passou por cirurgia. Segundo a polícia, o garoto teve vasos sanguíneos rompidos e uma perfuração no estômago. 

De acordo com o delegado Marcos Vinícius da Silva Reis, a briga teria começado quando Santos furou a fila para embarcar ainda no terminal Barra Funda. Ele disse aos meninos que era um policial, mas depois passou a provocá-los, falando coisas desconexas. Entre as afirmações, Santos disse que era um criminoso e soropositivo.

Quando foi detido, Santos apresentava sinais de embriaguez e tinha consigo uma pequena porção de maconha.  Segundo a polícia, ele já havia sido preso por tráfico de drogas e chegou a ser detido por roubo, mas foi absolvido.

O ataque causou tumulto no metrô. Pessoas gritaram e tentaram fugir correndo, mas não houve mais feridos. O advogado de Santos não foi localizado pela reportagem. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.