Adolescente de 14 anos é detido por roubo de veículo pela 14ª vez

Durante interrogatório, F.R.A. mordeu a mão do delegado e responsáveis não apareceram; ele seria levado à Fundação Casa

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2011 | 00h00

O adolescente F.R.A., de 14 anos, que ficou conhecido após ser detido pela polícia 13 vezes desde 2009 por roubos, furtos e agressões, foi flagrado mais uma vez com um carro roubado.

Desta vez, ele estava com mais quatro adolescentes, todos com idade entre 14 e 15 anos, e seria encaminhado à Fundação Casa, segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública. Ao prestar depoimento, o menino mordeu a mão do delegado que o interrogava no 98.° Distrito Policial (Jardim Miriam), zona sul.

Policiais militares faziam ronda na madrugada de ontem e avistaram o Kadett ocupado pelos adolescentes. À frente do carro, outro rapaz guiava uma moto de 250 cilindradas. Como desconfiaram do grupo, os PMs fizeram sinal para que todos parassem - ordem que não foi obedecida. Houve perseguição por ruas do Jardim Miriam e em Diadema, no ABC paulista, até que eles foram detidos.

Na delegacia, compareceram os responsáveis por apenas dois dos adolescentes - uma menina de 14 anos e um garoto de 15. Os pais de F., não. O dono do Kadett retirou o veículo na delegacia, mas não reconheceu o grupo.

A reportagem não conseguiu contato ontem com a Fundação Casa para confirmar o destino do garoto. A família de F. não foi localizada.

Na última vez em que foi detido, em abril do ano passado, F. também foi levado à Fundação Casa, mas foi ouvido e liberado. Em casos anteriores, após ser solto, o menino faltou às audiências judiciais.

O vice-presidente da Comissão Nacional da Criança e do Adolescente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ariel de Castro Alves, diz que, dado o fracasso do poder público em tratar o garoto, o temor é que ele comece a andar armado e seja vítima de grupos de extermínio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.