Adolescente confessa que deu partida e caiu de jet ski que matou menina em SP

Garoto de 13 anos prestou depoimento à promotora em Bertioga, local onde Gazielly Lames morreu

Debora Bergamasco e Reginaldo Pupo, O Estado de S.Paulo, atualizado às 22h27

24 de fevereiro de 2012 | 20h03

BERTIOGA - O adolescente de 13 anos acusado de estar no jet ski que atropelou e matou no sábado a menina Grazielly Almeida Lames, de 3, em Bertioga, admitiu nesta sexta-feira, 24, que deu partida no veículo. A confissão foi feita em oitiva informal - depoimento previsto no artigo 179 do Estatuto da Criança e do Adolescente - na Vara da Infância e Juventude da cidade. O adolescente também chorou muito e disse que tinha na garupa outro garoto de 13 anos.

A promotora Rosana Colletta, que ouviu nesta manhã o adolescente, diante dos pais e advogado, disse que não poderia dar maiores detalhes sobre a oitiva, por se tratar de caso sigiloso. Mas afirmou que "ele não negou os fatos" e declarou que foi autorizado por um adulto a andar no jet ski.

"A versão dele é praticamente igual à das testemunhas ouvidas na delegacia. Ele declarou que somente deu a partida no jet ski e assumiu que estava na praia na hora do acidente."

À noite, o menino deveria repetir as mesmas informações ao delegado Maurício Barbosa, titular da delegacia de Bertioga, que investiga o caso. Até as 18h30, ele ainda estava sendo ouvido em companhia de seus pais. Eles chegaram pelos fundos do prédio, em um carro com os vidros escuros e placas de Mogi das Cruzes.

Testemunhas. A polícia também ouviu hoje mais três testemunhas que estavam na Praia de Guaratuba na hora do acidente. Eram três turistas - de Mogi das Cruzes, Hortolândia e São Bernardo do Campo.

Segundo o advogado da família de Grazielly, José Beraldo, uma das testemunhas disse ter visto um homem levando o jet ski até a praia, trafegando em um quadriciclo de cor vermelha, com um reboque que transportava o aparelho.

O homem, segundo Beraldo, seria o caseiro Erivaldo Augusto Cardoso. Ainda segundo a testemunha, identificada como Daniele Cristina, o homem teria retornado ao condomínio de luxo, deixando o adolescente e outro menino com o jet ski.

Beraldo afirmou que uma segunda testemunha disse que estava na praia com sua filha, também de 3 anos, quando viu três pessoas levando o jet ski até o mar. Dois adolescentes subiram no aparelho e aceleraram. A embarcação teria "empinado" e eles caíram. Nesse momento, o jet ski seguiu desgovernado, atingindo Grazielly.

Até hoje, oito testemunhas haviam prestado depoimento. Os pais de Grazielly e dois tios prestaram as declarações na manhã de quinta-feira, mesmo dia marcado para o depoimento do adolescente, que acabou não comparecendo - seu advogado, Maurimar Chiasso, desmarcou a oitiva temendo a assédio da imprensa e de populares.

Punição. Sobre a possível punição ao adolescente, a promotora disse que não acredita que ele seja internado na Fundação Casa. Segundo ela, o mais provável é que receba uma medida socioeducativa de prestação de serviços à comunidade. "Já quem entregou o jet ski para o adolescente poderá ser responsabilizado criminalmente", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.