MARCELO GONCALVES/SIGMAPRESS
MARCELO GONCALVES/SIGMAPRESS

Acusados de matar Vitória Gabrielly sabiam que tinham sequestrado a pessoa errada, diz MP

Denúncia aceita pela Justiça contra três pessoas mostra que suspeitos assassinaram a garota para esconder o erro na tentativa de sequestro; defesa de casal diz que provas são 'fracas'

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

17 Julho 2018 | 22h30

SÃO PAULO - Os acusados de assassinar a garota Vitória Gabrielly Guimarães Vaz, de 12 anos, perceberam que haviam sequestrado a adolescente errada antes mesmo de decidir matá-la. É o que afirmam os promotores Ministério Público de São Paulo (MP-SP), em denúncia aceita pela Justiça, e obtida pelo Estado

O pedreiro Julio César Lima Ergesse e o casal Bruno Maciel de Oliveira, o "Mancha", de 33 anos, e Mayara Borges de Abrantes, de 24, foram denunciados pelos crimes de sequestro, homicídio qualificado e ocultação de cadáver. O MP-SP também solicitou a prisão preventiva dos acusados, o que foi aceito pela Justiça. A defesa do casal nega a participação no crime.

"Os averiguados se mostram incapazes de convívio em sociedade, denotando traços de personalidade animalescas ao arrebatarem adolescente de apenas 12 anos de idade, e frieza extrema ao resolverem sequestrá-la e matá-la mesmo sabendo que não possuía nenhum vínculo com situação que pretendiam 'resolver'", diz a acusação. A denúncia é assinada pelos promotores Suzana Peyrer Laino Ficker e Washington Luiz Rodrigues Alves.

De acordo com o MP-SP, Vitória Gabrielly foi sequestrada por volta das 14h10 do dia 8 de junho, enquanto andava de patins no Ginásio dos Campeões, na Rua Tocantins, em Araçariguama. Ela seria morta no mesmo dia, em "horário incerto".

"Segundo o apurado, Bruno, Mayara e Julio possuíam desentendimentos anteriores com pessoas de quem buscavam se vingar, e que estavam relacionados com drogas. A fim de cobrar dívida anteriormente contraída, resolveram arrebatar pessoa da família do devedor", afirma o MP-SP. "Para tanto, observaram-na durante certo tempo, até que Mayara deixou o carro e retornou com Vitória, segurando-a com força pelos braços e a colocando no veículo na parte traseira, juntamente com Julio."

Para a acusação, o trio teria percebido que sequestrara a pessoa errada após escondê-la no carro. "Contudo, mesmo assim, deliberaram, conscientemente, e então mataram a vítima, a fim de não deixarem provas do arrebatamento anteriormente ocorrido."

Laudos do Instituto de Criminalística apontaram que a jovem foi esganada e morreu por asfixia. Marcas nos braços e pernas também indicariam que ela tentou se defender do agressor e teria sido amarrada pelos braços e tornozelos.

Motivo torpe

Os promotores entenderam que o homicídio ocorreu por motivo torpe (para cobrar dívida de tráfico), meio cruel e para ocultar crime anterior. Entre as qualificadoras, também incluíram que os assassinos usaram recurso que impossibilitou defesa da vítima.

Os acusados teriam tentado esconder o corpo de Vitória Gabrielly em uma via de terra cercada por vegetação, a Estrada Prefeito Domingos Marucci. O desaparecimento da menina comoveu a cidade de 17 mil habitantes, que se mobilizou para procurá-la. O cadáver da menina foi localizado oito dias depois, em estado avançado de putrefação.

Reconhecido por uma testemunha, Ergesse foi o primeiro a ser preso. Ele teria confessado parcialmente o crime e apontado Oliveira e Mayara como comparsas, diz o MP-SP. O casal foi preso no dia 29 de junho em Mairinque e nega participação.

Mayara, por exemplo, diz que estava em um salão de beleza na hora do crime. Para a acusação, os álibis apresentados por eles seriam "de total fragilidade". "A prova pericial produzida sustenta a versão de Julio Cesar e fornece provas suficientes de autoria", diz a denúncia.

O processo segue para a Vara Criminal de São Roque, que acatou nesta terça a denúncia. O juiz Flávio Roberto de Carvalho concordou com o pedido ministerial e converteu a prisão temporária dos acusados em prisão preventiva. Ainda em sua decisão, para preservar as provas produzidas na fase de inquérito policial e as testemunhas protegidas, o juiz determinou a manutenção do sigilo do processo.  Após o recebimento da denúncia, os réus serão citados e deverão apresentar resposta à acusação.

O advogado do casal, Jairo Coneglian, afirma que pretende demonstrar a inocência do casal ainda na fase de instrução do processo. "As provas apresentadas são fracas", afirmou. "O único elemento é o testemunho de uma pessoa que já mudou o depoimento duas ou três vezes." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.