Acusados de matar psicóloga são condenados a até 25 anos de prisão em SP

Claudemir Rossi teria recebido, a convite de José Neudes, R$ 2 mil para levar, de moto, José Nilton Silva até o local do crime

Pedro da Rocha, da Central de Notícias,

25 Outubro 2011 | 04h51

SÃO PAULO - Por matar a psicóloga Renata Novaes Pinto, em novembro de 2008, na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo, três pessoas foram condenadas nesta terça-feira, 25, pelo Tribunal de Júri, a penas de até 25 anos e oito meses de prisão. O julgamento durou mais de quinze horas.

 

De acordo com a denúncia, atendendo a um convite de José Neudes, Claudemir Rossi teria recebido R$ 2 mil em dinheiro para dirigir uma moto até o local do crime, levando na garupa José Nilton Silva, responsável pelos três tiros que executaram Renata.

 

No julgamento, Silva foi considerado culpado pelo crime de homicídio doloso, com efetiva participação de Neudes e Rossi neste crime, tendo ainda os agravantes de motivo torpe e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima. Os jurados reconheceram, ainda, que os acusados cometeram o delito de formação de quadrilha ou bando armado para a prática de crimes hediondos, e que Neudes possuía em sua residência munição de arma de fogo de uso não permitido.

 

Silva foi condenado a vinte e cinco anos e oito meses de reclusão; Rossi, a vinte e dois anos e quatro meses de reclusão; Neudes, a vinte e três anos de reclusão e ao pagamento de 10 dias-multa.

Mais conteúdo sobre:
PSICÓLOGA CONDENADOS ASSASSINATO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.