Acusados de matar bombeiro são absolvidos pela Justiça

Costa morreu durante o ataque ao quartel nos Campos Elísios, região central da capital

Maíra Teixeira, do estadao.com.br

04 Março 2010 | 21h48

Foram absolvidos os três acusados de matar o bombeiro João Alberto da Costa, em São Paulo, em 2006, durante os ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC).

 

De acordo com comunicado do Tribunal de Justiça de São Paulo, o Tribunal do Júri decidiu, por maioria de votos, que os réus Eduardo Aparecido Vasconcelos, o chamado "Mascote", Giuliana Custódia, a "Gringa", e Alex Gaspar Cavalheiro, o "Gordinho" não são culpados pelos crimes de homicídio e tentativas de homicídios.

 

A decisão da juíza Eva Lobo Chaib Dias Jorge foi proferida às 20h30 desta quinta-feira, 4.

 

O julgamento começou na quarta-feira e foi retomado na manhã desta quinta, no fórum da Barra Funda, zona oeste da capital. A expectativa, caso fossem condenados, era de que podiam pegar 60 anos de prisão.

 

Costa morreu durante o ataque ao quartel do 2º Grupamento de Bombeiros, nos Campos Elísios, no centro da capital paulista, no dia 13 de maio de 2006.

 

Durante o processo, a Justiça bloqueou R$ 162 mil que estavam em uma conta bancária mantida por um acusado de trabalhar como contador para o PCC. O objetivo do bloqueio era garantir o pagamento de indenização à família de Costa. A família do bombeiro seria a primeira de uma vítima a ser indenizada com dinheiro do PCC.

Mais conteúdo sobre:
João Alberto da Costa PCC bombeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.