Acusado de tráfico e violência a menores é preso no Guarujá

Wagner Alberto Abdala Camargo também é acusado de estelionato em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais

Mônica Aquino, do estadao.com.br,

27 de agosto de 2007 | 11h08

Wagner Alberto Abdala Camargo, de 45 anos, foi preso na madrugada desta segunda-feira, 27, em um apartamento do Guarujá, na Baixada Santista. Ele é acusado de tráfico de drogas, abuso a pelo menos duas crianças de 1 e 5 anos, e estelionato em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Com ele, foram apreendidos carros e motos que teriam sido comprados com o dinheiro dos crimes. Até às 12 horas, o advogado de Wagner, Wladimir Cagnin, não tinha chegado a delegacia. Consultado pelo estadao.com.br, afirmou que a defesa ainda não tem uma posição sobre a prisão. Investigadores da Delegacia Sede do Guarujá afirmaram que ele confessou o crime conhecido como "Conto do Bilhete Premiado". No golpe, Wagner apresentava um bilhete da Caixa Econômica Federal com os números sorteados na Lotomania, mas dizia gostar de uma "vida simples" e oferecia o bilhete - normalmente com prêmios que variam entre R$ 1,7 milhão e R$ 2 milhões - em troca de R$ 50 mil. As vítimas aceitavam a troca, sacavam o dinheiro e descobriam o golpe quando iam resgatar o valor em uma loteria. De acordo com informações do investigador Rodrigo Faria dos Santos, que participou da prisão de Wagner, ele confessa os crimes e foi preso quando entrava em seu apartamento, que teria sido comprado com o dinheiro dos golpes. Ele foi preso em um prédio na praia das Astúrias. Wagner está preso na Delegacia Sede do Guarujá e a perspectiva é de que ele seja para o Centro de Detenção Provisória, também na Baixada Santista. As investigações começaram na Delegacia da Mulher da Baixada e há indícios de que ele tenha violentado outros menores. O pedido de prisão temporária pela agressão à criança de 5 anos já foi feito pela polícia do Guarujá. Texto alterado às 12h11 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.