Alfredo Risk/Futura Press
Alfredo Risk/Futura Press

Acusado de morte de Joaquim, de 3 anos, está desaparecido

Guilherme Longo está em liberdade provisória, mas deve perder o benefício porque não poderia deixar o endereço sem autorização judicial

Rene Moreira, Especial para o Estado

27 Setembro 2016 | 10h27

Guilherme Longo, acusado de matar o enteado Joaquim Ponte Marques, de 3 anos, em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, em 2013, está desaparecido de casa desde sexta-feira, 23. Ele está em liberdade provisória, mas deve perder o benefício porque não poderia deixar o endereço sem autorização judicial. 

Preso pela morte da criança, o padrasto obteve liberdade provisória em fevereiro deste ano. Antes de não ser mais visto, Longo teria deixado uma carta aos pais dizendo que fugiria. 

O promotor Marcus Túlio Nicolino esteve na casa da família do acusado na noite desta segunda-feira, 26, e confirmou que ele não se encontrava no local. Por volta das 22h30, policiais militares voltaram à casa e o padrasto de Joaquim continuava ausente. 

Por causa do sumiço, o promotor deve pedir nesta terça-feira, 27, que a Justiça revogue a liberdade de Guilherme Longo, que passará oficialmente a ser considerado foragido.

Mais conteúdo sobre:
ViolênciaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.