Acusado de matar ex-sócio em churrascaria se entrega

Ele alegou como motivo do crime uma dívida de R$ 20 mil, após o fim da sociedade; acabou preso temporariamente

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2012 | 03h09

Acusado de matar o ex-sócio Avelino Fantim, de 61 anos, com três tiros, na segunda-feira, Jaime Grokt, de 34, se apresentou ontem à polícia e assumiu o crime. O motivo foi uma dívida de R$ 20 mil que a vítima tinha com o assassino. Grokt teve a prisão temporária decretada.

Segundo o delegado Rubens Barazal, titular do 7.º DP (Lapa), Grokt contou que foi afastado por Fantim da sociedade em uma das churrascarias dele, na Avenida Engenheiro Caetano Álvares, na zona norte. A partir daí, ele passou a cobrar da vítima os R$ 20 mil, sua parte no negócio.

O atirador relatou à polícia que procurou Fantim várias vezes para receber o dinheiro. Em uma delas, ouviu do ex-sócio que deveria buscar os seus direitos na Justiça e que, caso continuasse lhe atormentando, seria morto, segundo a sua versão.

Na segunda-feira, Grokt foi à outra churrascaria de Fantim, a Central Park, na Avenida Ermano Marchetti, na zona oeste. Durante uma discussão, sacou a arma e matou o ex-sócio. Ele alegou à polícia que Fantim fez menção de que ia sacar uma arma e que, por isso, disparou primeiro. A vítima estava desarmada.

O delegado afirmou que Grokt não tem antecedentes criminais, que se apresentou à Justiça, mas que diante da gravidade do caso não resta outra alternativa a não ser prendê-lo. "Ele se mostrou nervoso, em um processo de estresse e desequilíbrio. Está descompensado. Existia um conflito, uma desarmonia, que levou a essa barbaridade", explicou Barazal. No fim do inquérito, o atirador terá a prisão preventiva pedida pela polícia

Segundo um cunhado do autor, que o acompanhou ontem até a delegacia, Grokt é um homem trabalhador, caseiro e apegado à família. "Saía de casa todos os dias às 2h para carregar o caminhão de entrega. Infelizmente, ele fez essa besteira", disse. O autor do crime foi transferido ainda ontem para a carceragem do 77.º DP (Santa Cecília).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.