Rene Moreira/Estadão
Rene Moreira/Estadão

Acusado de matar enteado, Guilherme Longo pode cumprir pena na Espanha

Homem é suspeito de assassinar o menino Joaquim, de três anos, em 2013; na Espanha, ele responde pela posse de documentos falsos

Rene Moreira, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

08 Maio 2017 | 15h54

FRANCA - Preso na Espanha desde abril, Guilherme Longo pode ter de cumprir pena na Europa antes de ser extraditado. Ele deve responder por porte de documentos falsos, que teria utilizado para ingressar no país. No Brasil, o homem é acusado de matar o enteado Joaquim, de três anos, em 2013, que teve o corpo encontrado em um rio em Barretos, no interior de São Paulo.

O Ministério Público de Ribeirão Preto, de São Paulo, autor do processo brasileiro contra Longo, espera que o homem seja extraditado antes do desfecho da apuração na Espanha. "A gente espera que ele retorne ao Brasil agora", disse o promotor Marco Túlio Nicolino.

O governo brasileiro ainda não fez o pedido de extradição, o que deve ocorrer em até 70 dias por meio do Ministério da Justiça. Longo estava desaparecido desde setembro, quando estava em liberdade provisória.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.