Acusado de fumar em avião é preso em aeroporto do RN

A Polícia Federal prendeu no Aeroporto Augusto Severo, em Parnamirim (região da Grande Natal), um homem que fumou durante um voo que saiu de Brasília com destino ao Rio Grande do Norte. A acusação recai sobre um empresário de 37 anos que atua no setor de alimentos e reside na capital federal. A Polícia Federal não divulgou seu nome. Ele está preso, mas já entrou na Justiça com pedido de habeas corpus.

ANNA RUTH DANTAS , ESPECIAL PARA O ESTADO , NATAL, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2012 | 03h05

Segundo a Assessoria de Imprensa da PF, o empresário nega o fato. Mas o comandante da aeronave e uma comissária de bordo confirmaram que durante todo trajeto o passageiro apresentou um comportamento "agitado" e ao sair do banheiro foi sentido um forte cheiro de fumaça.

Ao inspecionarem o banheiro, comissários de bordo encontraram restos de cigarro, depositados próximo do porta-papel. Os agentes da Polícia Federal, de plantão no aeroporto, foram procurados pelos funcionários da companhia aérea que relataram o fato.

Quando a aeronave aterrissou, o empresário foi interrogado na PF, onde permanece preso. Ele negou o fato, mas foi autuado. Como se trata de uma prisão em flagrante, o fumante está à disposição da Justiça Federal. Seu advogado já impetrou um pedido de habeas corpus, mas que ainda não foi apreciado.

Fumar no avião pode causar um princípio de incêndio ou até uma pane. Desde 1992, a Organização de Aviação Civil Internacional (OACI), em conjunto com a International Air Transport Association (Iata) e a Organização Mundial de Saúde (OMS), recomendaram aos 185 países membros a proibição total do tabaco em todos os voos, a partir de 1.º de julho de 1996. O Brasil foi um dos signatários do tratado. Anteriormente, a Portaria 121 do extinto Departamento de Aviação Civil (DAC) possibilitava o uso de cigarros a bordo de aeronaves depois de uma hora de viagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.