Acusada de matar as filhas é transferida para penitenciária

Na semana passada, Mary Knorr, de 53 anos, que estava em hospital psiquiátrico, se tornou ré

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

09 de outubro de 2013 | 12h37

SÃO PAULO - Mary Vieira Knorr, de 53 anos, acusada de matar as duas filhas adolescentes, foi transferida na manhã de terça-feira, 8, do Hospital Psiquiátrico Pinel para a Penitenciária Feminina I de Tremembé. Mary ficará presa até o seu julgamento, ainda sem data marcada. Ela havia sido encaminhada ao Pinel no dia 2 de outubro após 19 dias internada no Hospital Universitário, a pedido da Polícia Civil e por indicação dos médicos.

No dia 3 de outubro, última quinta-feira, a juíza Lizandra Maria Lapenna aceitou a denúncia do Ministério Público de São Paulo (MP-SP) contra Mary e, dessa forma, ela se tornou ré e responderá pelo crime. Mary é acusada pelo assassinato de Giovanna Knorr Victorazzo, de 14 anos, e Paola Knorr Victorazzo, de 13, encontradas mortas com sinais de asfixia em casa, no bairro Butantã, zona oeste de São Paulo, em setembro.

Entenda o caso. As duas adolescentes foram encontradas mortas em 14 de setembro. Mary estava no chão da sala e, na ocasião, afirmou que havia matado as filhas e que queria morrer, segundo a polícia. De acordo com as investigações, Paola e Giovanna foram vistas pela última vez na quarta-feira, dia 11. Já a mãe foi a uma festa de aniversário no dia seguinte e ainda apareceu passeando com o cachorro na sexta-feira, 13, segundo vizinhos, um dia depois da data provável do crime, segundo a Polícia Civil.

Mais conteúdo sobre:
violência SPMary Vieira Knorr

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.