Acusada de agredir bebês em creche é presa no interior de SP

Monitora Gislene Gomes, de 46 anos, será investigada por maus tratos a crianças de 1 e 2 anos na creche Ferdinando Mechioretto

Maria do Carmo Pagani, Especial para O Estado

10 Setembro 2014 | 16h08

A monitora Gislene Gomes, 46 anos, da Creche Municipal Ferdinando Mechioretto, acusada de agredir bebês de 1 a 2 anos foi presa nesta quarta-feira, 10, em Porto Ferreira, no interior paulista. Ela foi flagrada, em vídeo, ao agredir bebês entre 1 e 2 anos. Ela estava foragida havia seis dias e, acompanhada de seu advogado, apresentou-se à polícia durante a manhã.

Depois de ter passado por exames de corpo de delito, a monitora foi encaminhada para a cadeia feminina de Ribeirão Bonito, onde deve ficar detida por 30 dias enquanto segue a investigação. Segundo informações de policiais de Porto Ferreira, pelo menos 7 pais de bebês que sofreram algum tipo de violência na creche já foram ouvidos.

Funcionária da Prefeitura da cidade, a monitora teve sua prisão decretada no dia 4, após os vídeos com as agressões, gravados pelo pai de um dos alunos com uma câmera escondida na mochila, terem sido divulgados. O fato revoltou moradores da cidade e pais de crianças da creche. A diretora e a supervisora da unidade também foram exoneradas do cargo pela Prefeitura na sexta-feira, 5, após as denúncias já que teriam sido informadas anteriormente do comportamento da monitora.    

Mais conteúdo sobre:
CrecheMaus tratos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.