Acidentes e chuva fazem SP ter seu pior trânsito

Capital teve recorde de congestionamento às 19h de ontem: 295 km de vias paradas

BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2012 | 03h02

Uma série de acidentes de trânsito nas vias mais importantes da cidade associada à chuva e ao fato de ontem ter sido sexta-feira, dia em que os congestionamentos costumam ser maiores, fez a cidade ter, às 19 horas de ontem, o maior índice de trânsito já registrado na cidade: 295 quilômetros de lentidão.

Os números de engarrafamentos registrados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) já estavam acima da média desde o começo da tarde, às 14h. Enquanto o normal para aquele horário são 38,2 quilômetros, a cidade ontem marcou 54 quilômetros. A situação complicou ainda mais depois que, por volta das 15 horas, uma carreta tombou na transposição das pistas expressa e local da Marginal do Tietê, no sentido Ayrton Senna, bloqueando totalmente o acesso à pista expressa na altura da Ponte da Vila Guilherme.

Segundo a CET, um evento ocorrido no Centro de Exposições Imigrantes também levou um volume excessivo de carros à Avenida dos Bandeirantes, o que piorou o congestionamento. Já perto das 18h30, a faixa da direita da pista central da Marginal do Tietê, perto da Ponte da Casa Verde, ficou interditada por causa do tombamento de outra carreta, também no sentido Ayrton Senna.

Os reflexos dos acidentes se espalharam pela cidade. Às 19h, quando o recorde foi batido, só a pista sentido Ayrton Senna da Marginal tinha 33,6 quilômetros de filas de carros praticamente parados. Na Marginal do Pinheiros, sentido Castelo Branco, as filas somavam 28,7 quilômetros de extensão.

Levantamento paralelo ao da CET, feito pela empresa Maplink, registrou às 19 horas 537 quilômetros - também um recorde. Essa contagem considera um número maior de vias que a da CET, que começou a ser feita em meados dos anos 1980.

Presos. Tanta lentidão fez com que viagens que normalmente são realizadas em 40 minutos levassem ontem três horas. O produtor cultural Hanilton Scofield, de 29 anos, por exemplo, saiu de ônibus da Casa Verde às 16h30 e só conseguiu chegar à Rua 13 de Maio, na região central, depois das 19h30. "Tinha um compromisso às 17h30, mas agora não sei o que vou fazer."

Scofield disse que muitos passageiros que estavam no mesmo ônibus que ele desceram e continuaram o percurso a pé. "Na altura da Rua Amaral Gurgel, um senhor desceu do carro e começou a organizar o trânsito. O fiscal da CET ficou na esquina, só olhando", disse.

A estudante Letícia Nardi, de 19 anos, também não escapou dos transtornos. "Saí da Teodoro Sampaio há uma hora e meia e só agora estou chegando perto da Barra Funda, onde fica minha faculdade", contou.

Recorde. O recorde anterior de trânsito na cidade havia sido de 293 quilômetros. Foi registrado em 10 de junho de 2009 - uma véspera de feriado que também teve chuva. No período da manhã, o recorde também foi ultrapassado neste ano: 249 quilômetros foram registrados na semana passada, em consequência da greve dos metroviários. / COLABORARAM ADRIANA FERRAZ, CAMILA BRUNELLI E NATALY COSTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.