Acidentes de trânsito fazem casos de politraumatismos triplicarem em SP

Aumento da frota de motocicletas é visto como um dos principais fatores

Bruno Ribeiro,

10 Janeiro 2013 | 15h49

SÃO PAULO - O número de pessoas vítimas de politraumatismos, diagnóstico comum em acidentes de trânsito, praticamente triplicou na Grande São Paulo na última década. Em 2002, foram 2.489 casos, enquanto em 2011 foram 8.274 internações por esse motivo. Os dados, divulgados nesta quinta-feira, 10, são da Secretaria de Estado da Saúde.

Segundo informações da secretaria, um dos principais fatores para essa explosão de casos é o aumento da frota de motocicletas.

"Os prontos-socorros públicos vivenciaram, na última década, o surgimento de uma verdadeira epidemia de acidentes de trânsito, sobretudo de motociclistas, que lotam as emergências e são geralmente casos muito graves. Esta nova realidade exige das equipes de PS dos hospitais gerais a priorização do atendimento a esses pacientes, que costumam chegar em estado delicado, muitos correndo risco de morte", afirma, segundo a secretaria, a médica Magali Vicente Proença, diretora do Conjunto Hospitalar do Mandaqui, uma das maiores emergências da cidade de São Paulo, na zona norte.

No Estado, esse tipo de internação cresceu 124% no mesmo período, totalizando 14.214 em 2011 (média de 39 por dia), contra 6.342 em 2002. A Grande São Paulo representou, no período, 58% do total de vítimas de politraumas atendidas em hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) de todo o Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.