Acidente no Rio: imprudência é investigada

A imprudência do motorista é a principal hipótese para explicar a queda do micro-ônibus de um viaduto em Itaguaí, na Região Metropolitana do Rio. O acidente, que foi às 17h45 de anteontem, matou seis pessoas e deixou 34 feridos (seis ainda em estado grave). Segundo a polícia, testemunhas relataram que o condutor, que morreu, dirigia em alta velocidade. O projeto do viaduto (tão íngreme que ganhou o apelido de "tobogã") também é apontado como fator determinante da tragédia.

Roberta Pennafort / Itaguaí, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2013 | 02h10

É nisso que acredita o engenheiro Antonio Eulálio, especializado em grandes projetos e integrante do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea). Eulálio, que esteve no local ontem de manhã, criticou a falta de guarda-rodas, barreira lateral de concreto que evitaria que o ônibus despencasse (só há um guarda-corpos). Além disso, a estrutura é reta entre o topo e o início da descida, e deveria ter uma curvatura. "Tem erro na forma geométrica e na segurança. Dá a impressão de que se fez economia na obra."

A Secretária de Obras e Urbanismo de Itaguaí, Luísa Ribeiro, informou que o projeto e a construção do Viaduto Prefeito Isoldackson Cruz Brito são de responsabilidade da MRS Logística, dona da linha férrea sob a estrutura. A MRS informou que a obra foi feita a pedido da prefeitura em 2006. Em nota, a empresa lembrou que a velocidade máxima permitida é de 50 km/h e que "centenas de veículos" passam pelo local diariamente.

O delegado Alexandre Gusman ouviu seis testemunhas, entre passageiros e pedestres. Todas disseram que o motorista, Carlos Alberto Oliveira da Silva, estava dirigindo com excesso de velocidade. A vendedora Alice Pereira, de uma loja de produtos religiosos na frente do viaduto, notou que saíram faíscas quando o ônibus bateu no asfalto na subida. Segundos depois, o coletivo caiu de uma altura de 7 metros. O tacógrafo do ônibus, apreendido ontem, vai apontar a velocidade exata que ele estava.

Luto. Três pessoas foram enterradas ontem: Andrelucy Serra, de 22 anos, José Antonio da Costa Moreira e Marcos Figueiredo. O motorista será sepultado em São Paulo hoje. Os corpos de dois passageiros, um homem e uma mulher, não haviam sido identificados até o fim da tarde de ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.