Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

Acidente no Playcenter deixa 8 feridos

Trava do brinquedo Double Shock abriu durante o uso e as pessoas que estavam a bordo caíram de uma altura de cerca de sete metros

Renato Machado, Márcio Pinho, Rodrigo Brancatelli e Plínio Delphino, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2011 | 00h00

Um acidente com um brinquedo no parque de diversões Playcenter, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo, deixou oito feridos no fim da tarde de ontem - dois em estado grave, segundo o Corpo de Bombeiros. Por volta de 17h40, uma das travas de segurança da atração chamada Double Shock se abriu em plena operação e parte dos ocupantes foi arremessada de uma altura de cerca de 7 metros. Esse foi o segundo acidente no local em pouco mais de seis meses.

O Double Shock, um dos brinquedos apontados pelo parque como "radical", tem duas gôndolas que giram e balançam 360 graus e em sentido horário e anti-horário - no ponto mais alto, a atração atinge 12 metros de altura. A trava de segurança do Double Shock vem das costas dos ocupantes e fecha na altura da cintura (veja como ele funciona na página C3). Em uma das fileiras, esse equipamento abriu, o que fez com que as pessoas caíssem no chão sem nenhum tipo de apoio ou rede de segurança.

Segundo o Samu, foram enviadas dez ambulâncias para o local - sete feridos foram levados ao Hospital Metropolitano, na zona oeste, e uma mulher de 30 anos, com ferimento na cabeça, foi para a Santa Casa de Misericórdia, na região central. Nenhum boletim médico com o estado de saúde das vítimas havia sido divulgado até o fim da noite de ontem.

O caso foi registrado no 23.º DP como lesão corporal culposa (sem intenção). O delegado João Batista Braga abriu inquérito para investigar se houve negligência ou falha humana. Peritos da Polícia Científica também foram ao local para apurar as causas do acidente.

Em nota, o Playcenter se limitou a afirmar que "o equipamento, de fabricação italiana, encontra-se dentro das normas de operação, conta com manutenção diária e foi reformado em maio de 2010".

Crianças e adolescentes ouvidos pelo Estado disseram que houve correria e tumulto, com pessoas procurando ajuda e outras com celulares tentando registrar o acidente. O local foi isolado com placas e funcionários do Playcenter começaram a retirar o público, avisando que o parque estava fechando. Até o início da noite, no entanto, centenas de crianças ainda esperavam no estacionamento do Playcenter para pegar o ônibus que leva até o metrô Barra Funda. "Um garoto estava caído e com a cabeça toda ensanguentada. O pessoal queria colocá-lo em uma ambulância, mas ele relutava dizendo que tinha um outro amigo que estava em situação pior", disse o comerciante Osvaldir Couto Sousa, de 39 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.