Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Acidente na Castelo Branco causou vazamento de 29 mil litros de ácido

De acordo com agência ambiental, equipes trabalham para evitar a contaminação dos terrenos e de córrego próximos à via

Fabiana Cambricoli e José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

18 Fevereiro 2014 | 14h33

Atualizado às 16h05.

SOROCABA – Aproximadamente 29 mil litros de ácido clorídrico vazaram nas pistas da Rodovia Castelo Branco, na altura de Itapevi, por causa do acidente entre dois caminhões na manhã desta terça-feira, 18. De acordo com a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), a colisão provocou o rompimento das válvulas traseiras do caminhão-tanque e o ácido vazado percorreu cerca de 50 metros. Um pequeno córrego próximo à via, que foi liberada pouco antes das 11h, foi contaminado.

Às 13h30, apenas a faixa da direita da pista, no sentido interior, ainda estava bloqueada para a remoção do ácido e dos veículos envolvidos na batida. Ela foi reaberta por volta das 14h40. Técnicos da Cetesb jogaram cal na via para neutralizar o poder corrosivo do ácido.

A equipe ainda avalia a qualidade da água e também prepara uma solução alcalina para evitar maior contaminação do córrego. Em contato com as mucosas, o ácido clorídrico pode causar queimaduras. O Corpo dos Bombeiros e a Polícia Rodoviária Estadual também atenderam à ocorrência.

Não houve registro de pessoas que passaram mal por causa do contato com o ácido. No entanto, a equipe médica da concessionária CCR recomendou que qualquer pessoa que tenha passado pelo local do acidente procure um hospital caso sinta dor de cabeça, náuseas ou dores abdominais.

Transtornos. Muitos motoristas ficaram até quatro horas parados na estrada. A rodovia, uma das principais ligações entre a capital e o interior, tem tráfego de até 224 mil veículos por dia nos dois sentidos próximo de São Paulo, segundo o Departamento de Estradas de Rodagem (DER). Às 10h, a Polícia Rodoviária Estadual autorizou que motoristas fizessem o retorno na contramão para escapar do congestionamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.