Acidente de trânsito acaba em agressões na Vila Mariana, zona sul de SP

Após a colisão, houve discussão entre uma policial civil de 29 anos, o marido dela e um jovem de 22

Gheisa Lessa - estadão.com.br,

30 de maio de 2012 | 04h48

Texto atualizado às 17h51.

SÃO PAULO - Um acidente com três veículos, na Avenida Prefeito Fábio Prado, na Chácara Klabin, região da Vila Mariana, na zona sul de São Paulo, deixou três pessoas feridas, entre elas uma policial civil, por volta das 23h da última terça-feira, 29. Após a colisão, aconteceu uma discussão entre os envolvidos, uma policial civil de 29 anos, o marido dela e um jovem de 22 anos. Moradores do bairro afirmam que presenciaram agressões.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) afirma que o homem de 22 anos dirigia um Citroen C3 preto pelo Jardim Butantã em direção à sua casa na Vila Mariana. Em seu depoimento, o jovem contou que, ao passar pela Avenida Prefeito Fábio Prado, foi fechado duas vezes pela policial, que conduzia um Hyundai Santa Fé prata.

Mais à frente, ainda segundo a SSP, o homem mudou de faixa para entrar na rua onde mora, mas foi impedido pela policial, que jogou seu carro em direção ao dele. Após a batida, de acordo com a assessoria da Polícia Civil, o marido da policial, um médico de 37 anos que estava em um Fiat Uno amarelo, começou a agredir o jovem juntamente com a policial. Momentos depois, o pai do rapaz, um bancário de 57 anos, chegou e foi ferido por um soco na boca, ainda conforme informações da Secretaria de Segurança.

Policiais militares foram chamados e separaram os envolvidos. De acordo com moradores da Avenida Prefeito Fábio Prado, a policial se retirou do local do acidente sozinha, andando a pé. A SSP afirma que a policial foi encaminhada ao Hospital Sepaco, na Rua Vergueiro, na Vila Mariana. De acordo com o boletim médico divulgado nesta quarta-feira, 30, pela assessoria do hospital, a policial civil deu entrada, no dia 30, à meia noite.

Moradores da região confirmam a versão e afirmam que a policial civil estava descontrolada e aparentava estar alcoolizada. De acordo com o professor universitário Mário Luiz Miranda, de 50 anos, que mora em um condomínio em frente ao local do acidente, "em todo o momento a mulher voltava para agredir o menino e ninguém a isolou, ela estava descontrolada".

Ainda segundo o boletim médico, a mulher apresentou "quadro de ruptura do estômago e passou por uma cirurgia de reconstrução da estrutura órgão". Em seguida, a paciente foi encaminhada para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), na qual permanece sob sedação. Ela estava, até as 17h desta quarta, sob cuidados intensivos e o quadro se apresenta estável, afirma o boletim médico divulgado pela unidade.

A SSP afirma ainda que o jovem que dirigia o Citroen e seu pai foram socorridos ao Hospital Santa Cruz, onde foram medicados e liberados.

As vítimas foram orientadas quanto ao prazo de seis meses para representação, segundo a Polícia Civil. Foram solicitados perícia e exames de IML. O caso foi registrado como lesão corporal culposa na direção de veículo automotor e lesão corporal no 8º Distrito Policial e será encaminhado ao 6º DP (Cambuci), área dos fatos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.