Acidente com catamarã deixa 65 feridos no Rio

Barca acelerou, em vez de reduzir velocidade, ao chegar ao píer na Estação Praça 15; a maior parte dos passageiros sofreu apenas escoriações

FÁBIO GRELLET / RIO, O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2011 | 03h00

Sessenta e cinco passageiros se feriram, às 12h20 de ontem, quando um catamarã que transportava 907 pessoas de Niterói para o centro do Rio se desgovernou e bateu duas vezes contra o píer da empresa Transtur, vizinho daquele onde a embarcação deveria aportar, na Estação Praça 15. A contagem dos feridos foi feita pelos bombeiros.

Segundo passageiros, quando o catamarã Gávea 1 se aproximou do píer, a velocidade aumentou, em vez de diminuir. A primeira batida contra o píer foi tão forte que o impacto fez a embarcação se afastar. Como o motor continuava funcionando, houve mais uma batida na sequência, antes que o equipamento fosse desligado. Com as colisões, algumas cadeiras se quebraram e muitos passageiros, que estavam de pé, caíram. O catamarã tem capacidade para 1.300 passageiros - 900 sentados.

"O pânico foi enorme com a primeira batida, porque voou gente pra tudo que é lado. Aí veio a segunda e mais gente caiu. Ficamos muito tempo ali sem nenhum tipo de ajuda. Não tinha equipe de socorro a bordo", disse a advogada Márcia Santiago, de 34 anos. "A pessoa que estava no comando teve muito controle, pois poderia jogar a barca em direção ao Aeroporto Santos Dumont (vizinho da estação)", afirmou a dentista Daniele Lima, de 38 anos, que ajudou no socorro.

Espera. A maioria das 65 vítimas sofreu apenas escoriações ou ficou abalada emocionalmente. Quem não sofreu nada teve de aguardar 30 minutos para ser transferido para outra embarcação, que transportou o grupo até a plataforma de desembarque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.