Corpo de Bombeiros/Divulgação
Corpo de Bombeiros/Divulgação

Acidentado cuida de criança que teve parentes feridos na Carvalho Pinto

Menino de 5 anos ficou sozinho depois que seus familiares foram resgatados; acidente deixou 2 mortos

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

30 Agosto 2017 | 17h58

SOROCABA - No meio do caos provocado pelo acidente que envolveu 36 veículos e deixou dois mortos e vinte feridos, na manhã desta quarta-feira, 30, na rodovia Carvalho Pinto, a repórter Ana Lúcia Inocêncio, da Rádio Mensagem, de Jacareí, flagrou uma cena emocionante de solidariedade. Mesmo com seu carro destruído no acidente e com a esposa tendo o braço fraturado, um homem de Guararema, que se identificou apenas como Carlos, resgatou um menino de cinco anos que havia ficado sozinho no carro vizinho, já que todos os seus familiares que também estavam no carro, tiveram ferimentos mais graves e foram levados para hospitais. O pequeno Pedro escapou ileso, mas não pôde ser levado de ambulância com os pais e avós.

No áudio gravado pela repórter, Carlos conta que o menino que ele segura no colo não é seu filho e, até momentos antes, ele nem o conhecia. A criança, segundo Ana, estava assustada e abraçando forte o desconhecido que o socorrera. Carlos conta o que aconteceu: “Teve a fumaça da queimada debaixo do viaduto e realmente ninguém enxergou mais nada, foi batendo um carro atrás do outro. Eu também bati e bateram em mim, bateu carro, caminhão. A família do Pedro bateu o carro do lado do meu. Como minha esposa só quebrou o braço, deu para a gente descer e sair do local, mas eu fui tirar o Pedro do outro carro e trouxe para cá. Estou com ele até agora. A avó dele bateu forte na cabeça, estava inchada e foi para o hospital, o avô bateu a perna e foi para o hospital. A mãe do Pedro também se machucou e está indo para o hospital.”

Segundo ele, o menino acabou ficando sozinho e Carlos tratou de tirá-lo do carro e se responsabilizou junto aos policiais rodoviários por cuidar da criança. “Estou aguardando um irmão mais velho do Pedro que está vindo para cá de São Bernardo, onde a família reside. Ele vai se identificar a um policial rodoviário e vou entregar o Pedro.” Carlos contou que estava indo para o santuário de Aparecida com a esposa e acredita que o casal teve proteção divina.

Ele se considera um escolhido. “Foi Deus que abençoou e protegeu, pois nenhum de nós se machucou tanto. Acho que Nossa Senhora me colocou aqui para ficar com ele (Pedro). Ela me escolheu para ficar aqui e ajudar um pouco no meio dessa tragédia toda”, disse, emocionado. O homem disse que espera se encontrar com a família do garoto nos próximos dias. “Eu acho que o Pedro é um anjo que estava aí para preservar muitas vidas.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.