Achada ossada em prédio da Polícia Civil

Uma ossada encontrada terça-feira no 7.º andar do estacionamento da Polícia Civil na Praça Alfredo Issa, na Luz, região central de São Paulo, tem intrigado delegados e investigadores. Ainda não há pistas sobre quem deixou os ossos. Segundo a Polícia Civil, uma faxineira achou o saco com os ossos após sentir um cheiro forte. Não há informações sobre quem seria a vítima. Peritos estiveram no local e o material será analisado pela Polícia Científica e pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

MARCELO GODOY, WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

08 Março 2013 | 02h01

O edifício é a garagem para os policiais que trabalham na Delegacia-Geral do Estado. Lá ficam viaturas e carros particulares. No mesmo prédio está o Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra).

Crânio. A polícia também investiga o abandono de 8 crânios na frente de templos religiosos e consulados. Segundo o delegado Paul Henry Verduraz, do 34.º DP (Vila Sônia), estes casos não têm relação com a ossada deixada no prédio da polícia. "São crânios antigos, furtados de sepulturas", disse. Imagens mostram que os crânios foram deixados por uma mulher de cerca de 50 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.