Ação da PM contra o tráfico termina com 4 presos e 1 morto em Paraisópolis

Policiais afirmarm que foram recebidos a tiros por traficantes numa das ruas da favela

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

08 de fevereiro de 2012 | 04h16

Atualizado às 5h30

 

SÃO PAULO - Uma suposta troca de tiros entre policiais militares da 2ª Companhia do 16º Batalhão e supostos traficantes, no início da madrugada desta quarta-feira, 8, na Favela Paraisópolis, região do Morumbi, na zona sul da capital paulista, deixou um saldo de quatro suspeitos presos - entre eles um baleado, que continua internado, e dois menores - e um quarto morto. O segundo suspeito baleado não resistiu aos ferimentos e morreu quando era atendido no pronto-socorro do Hospital do Campo Limpo.

 

Uma denúncia anônima sobre tráfico de drogas levou os PMs até a esquina entre as ruas das Jangadas e Doutor Laerte Setubal. Ao se aproximarem de uma viela, os policiais teriam flagrado um grupo armado, que atirou. No confronto, três pessoas foram dominadas e outras duas baleadas. Com o quarteto, os policiais afirmam que apreenderam uma espingarda calibre 12 e duas pistolas, calibres 45 e 380; além de vários tipos de drogas, como crack, cocaína, maconha e lança-perfume. A apreensão, segundo a polícia, teria causado um prejuízo de R$ 85 mil ao tráfico da região.

 

Após o suposto confronto, os policiais realizaram um bloqueio, com um raio de 300 metros, no entorno do local onde os supostos bandidos haviam sido baleados. Uma testemunha afirmou que nem uma equipe dos bombeiros conseguiu entrar na área delimitada pelos policiais. Moradores da região ficaram revoltados com a ação da PM e disseram que os verdadeiros criminosos correram e deixaram o local, e que os policiais entraram na viela atirando para todos os lados.

 

O caso foi encaminhado para o plantão do 89º Distrito Policial, do Portal do Morumbi.

Tudo o que sabemos sobre:
ParaísópolistiroteiotráficoarmasPM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.