Acadêmicos fazem manifesto contra violência em SP

Professores universitários e pesquisadores brasileiros divulgaram um manifesto de repúdio à onda de violência em São Paulo e "ao modelo repressivo de Estado" no combate ao crime organizado. Segundo o texto, as principais vítimas são os moradores das periferias e a população mais pobre.

O Estado de S.Paulo

15 Novembro 2012 | 02h09

Acadêmicos e intelectuais como Frei Betto (escritor), Paulo Eduardo Arantes (USP), Ruy Braga (Sociologia/USP) e Sérgio Salomão Shecaria ( Direito/ USP) afirmam que "nos últimos 20 anos, São Paulo testemunhou uma expansão vertiginosa do sistema penitenciário, mais que triplicando o número de vagas então existentes. Em detrimento de alternativas educacionais aos jovens e de tratamento digno para dependentes químicos".

O grupo afirma que, ao mesmo tempo, crescem "as práticas de extermínio, se multiplicam e vêm espalhando as mortes violentas de moradores pobres, preferencialmente jovens e negros". Os acadêmicos, por fim, pedem uma política de segurança que garanta "os direitos e a participação de todos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.