Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Acadêmicos do Tucuruvi supera expectativas após incidente que destruiu fantasias

Escola entrou na avenida com muito brilho em enormes carros alegóricos sob o tema 'Uma noite no Museu'; galpão da agremiação foi atingido por um incêndio há pouco mais de um mês

Fabio Leite, O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2018 | 03h39

SÃO PAULO - Pouco mais de um mês depois de um incêndio atingir o barracão da escola e destruir 90% das fantasias, a Acadêmicos do Tucuruvi fez um desfile que superou as expectativas e levantou o público no Sambódromo do Anhembi na madrugada deste sábado, 10.

+ Após fogo, Acadêmicos do Tucuruvi se reconstrói para o Carnaval

Com o tema "Uma noite no Museu", referência a um filme de comédia americana lançado em 2006, a agremiação da zona norte paulistana nem precisava da imunidade concedida pela Liga das Escolas de Samba, que a impediu de ser rebaixada por causa da acidente em janeiro, para espantar qualquer fantasma.

A Tucuruvi trouxe muito brilho em enormes carros alegóricos com personagens da mitologia grega e esqueleto de dinossauro, e uma diversidade de cores nas alas. A energia demonstrada pelos cerca de 2.500 integrantes contagiou o público a ponta de os passistas encerraram o desfile gritando "eu acredito", em referência ao título do Grupo Especial.

+ Com criatividade e animação, Unidos do Peruche homenageia Martinho da Vila

"Do mesmo jeito que o mundo do samba foi solidário com a Tucuruvi, a escola devolveu essa solidariedade na avenida, disse o intérprete Alex Soares, mencionando as doações de material que outras escolas fizeram para que eles pudessem refazer as fantasias a tempo do Carnaval.

+ Independente Tricolor leva filmes de terror para a avenida

"Dia 4 de janeiro foi o dia mais tristes da história da Tucuruvi. Acordamos com a notícia do incêndio. Realmente o prejuízo foi muito grande e perdemos 90% das fantasias. Mas a escola se uniu e mostrou que o mesmo fogo que destruiu o material reacendeu nossa paixão pela Tucuruvi", contou Ricardo Rodrigues, diretor de Harmonia da escola.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.