JF Diorio/AE-19/11/2010
JF Diorio/AE-19/11/2010

Abril bate recorde de furtos em Cumbica e Congonhas no ano

Aeroportos somaram 469 ocorrências entre janeiro e abril, média de 3,9 casos por dia; laptops estão entre itens levados

Fabiano Nunes, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2011 | 00h00

JORNAL DA TARDE

Abril foi o mês deste ano com o maior número de furtos nos dois principais aeroportos de São Paulo, de acordo com as estatísticas mensais da Secretaria Estadual de Segurança Pública. Somados, Congonhas, na zona sul da capital, e Cumbica, em Guarulhos, na Região Metropolitana, registraram 156 casos, média de cinco por dia.

Somente em Congonhas houve 46 casos em abril, contra 11 no mês anterior, 31 em fevereiro e 11 em janeiro. Em Cumbica, a tendência de alta vem desde janeiro, quando foram registrados 81 casos. Em abril, o número pulou para 110, após chegar a 105 em março e 74 em fevereiro.

No total, os dois aeroportos registraram 469 casos entre janeiro e abril deste ano, média de 3,9 casos por dia. Foram 370 em Cumbica e 99 em Congonhas. A distração dos passageiros é apontada pela polícia como a principal causa. Bolsas, bagagens e laptops são os mais roubados.

O delegado titular do Aeroporto de Congonhas, Marcelo Palhares, diz que o número de registros depende da circulação de passageiros. "Em abril, a cidade recebeu a Fórmula Indy, feiras e congressos. Quando isso ocorre, é comum que o movimento do saguão também aumente e os casos se multipliquem." A corrida ocorreu em 2 de maio, mas turistas e equipes começaram a chegar na última semana de abril.

De acordo com o delegado, algumas quadrilhas que atacam no local são formadas por estrangeiros. "Muitas vezes colombianos, peruanos", listou. Na manhã de ontem a delegacia prendeu em flagrante uma colombiana de 18 anos que tentou furtar um laptop.

Segundo ele, por dia circulam 70 mil pessoas em Congonhas. "Se levarmos em consideração esse número, os registros foram poucos. Estamos em uma área pública e os criminosos se aproveitam da distração das pessoas."

Cumbica. No Aeroporto de Cumbica, há uma média de três casos por dia. Anteontem, um aeroviário furtou a carteira de um estudante dentro de uma loja de conveniência. A cena foi flagrada pelas câmeras do estabelecimento. Policiais o localizaram em uma esteira de bagagens e encontraram US$ 106 - cerca de R$ 172 - que ele tinha retirado da carteira e guardado em seu armário. Com ele também foram apreendidos frascos de perfume importado.

A polícia atribui o menor número de casos no início do ano em Cumbica ao policiamento ostensivo no aeroporto em virtude das férias. "Muitos policiais ficaram circulando pelo terminal durante a alta temporada. Mas nem todos os casos aconteceram aqui. Às vezes, os passageiros foram furtados em outros Estados e sentem a falta da bagagem só quando chegam aqui", diz o delegado titular do aeroporto, Ricardo Guanaes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.