Abertura do MAC termina em confusão

Sem Alckmin, jovens contrários à reintegração de posse na comunidade do Pinheirinho hostilizaram o secretário da Cultura, Andrea Matarazzo

MARIA EUGÊNIA DE MENEZES , PAULO LIEBERT, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2012 | 03h09

Sem a presença do governador Geraldo Alckmin (PSDB), a inauguração da nova sede do Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC), na manhã de ontem, teria sido tranquila, não fosse a confusão na saída do secretário de Cultura do Estado, Andrea Matarazzo, que foi hostilizado por um grupo de cerca de 40 jovens que se diziam contrários à reintegração de posse na comunidade do Pinheirinho, em São José dos Campos. O secretário chegou a bater boca com o grupo, antes de sair no carro oficial.

Rapidamente, o veículo de Matarazzo foi cercado pelos manifestantes, que atiraram ovos. Sem violência, após a saída do secretário, a polícia dispersou os jovens e formou um cordão de isolamento entre os manifestantes e a fachada do museu.

Festa tímida. A inauguração do novo MAC ocorreu após uma série de adiamentos na reforma do antigo prédio do Detran, que passa a abrigar o museu. E a festa de entrega da obra não o teve o tamanho planejado. Apenas um dos sete andares do prédio estava aberto à visitação. Também não houve discursos ou cerimônias oficiais. O reitor da USP, João Grandino Rodas, passou brevemente pelo espaço e foi embora antes do horário da inauguração. Coube a Matarazzo e ao diretor do museu, Tadeu Chiarelli, receber os convidados de maneira informal.

A exposição do acervo que marca a abertura do espaço não é a grande mostra que se previa. Tem 17 obras e ocupa apenas o piso térreo. Segundo Chiarelli, a ocupação do museu será gradual até outubro. O sistema de segurança ainda está sendo instalado, assim como o mobiliário, o café e o estacionamento.

Ainda que o prédio, agora, seja de exclusiva responsabilidade da universidade, não faltaram menções ao papel do governo: adesivos nos vidros do museu traziam o brasão do Estado. Pré-candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, Matarazzo também fazia referência a Serra e agradecia a Alckmin.

Os planos para transformar o antigo Detran em sede para o museu começaram em 2007, mas contratempos adiaram a obra, que consumiu cerca de R$ 76 milhões, da Secretaria de Cultura.

Ao contrário do anunciado inicialmente, a secretaria não terá qualquer participação na gestão da nova sede. Chegou-se a anunciar que R$ 10 milhões seriam repassados pelo governo ao museu. "Agora, a ideia é que a universidade custeie sozinha a nova sede", disse Matarazzo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.