Abandonado, estúdio Herbert Richers pega fogo no Rio

Incêndio, sem vítimas, teria sido provocado por acúmulo de material inflamável; imóvel está fechado desde 2010

RIO, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2012 | 02h05

Um incêndio atingiu na tarde de ontem o prédio que serviu de sede dos estúdios Herbert Richers, no bairro da Usina, zona norte do Rio. Moradores vizinhos acionaram o Corpo de Bombeiros por volta do meio-dia, após uma densa fumaça se formar sobre o prédio, que estava abandonado. O fogo foi controlado cerca de duas horas depois e não houve vítimas.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a causa provável do incêndio foi o acúmulo de material inflamável no prédio, sem a devida manutenção após a desativação do estúdio. O material não teria sido devidamente acondicionado após o término das atividades do estúdio. Os bombeiros trabalharam durante toda a tarde no rescaldo do edifício, para evitar outros focos de incêndio no prédio.

Uma forte coluna de fumaça se formou no local e, em função dos ventos na região, se espalhou pelo bairro da Tijuca, assustando os moradores.

Disputa e leilão. O imóvel, de 3 mil metros quadrados, está abandonado desde 2010, quando o estúdio de dublagem, durante muitos anos o principal do Brasil, foi fechado.

Fundador dos estúdios, Richers era paulista de Araraquara e morreu em 2009, aos 86 anos. Após uma disputa judicial ligada à ações trabalhistas dos ex-funcionários do estúdio de dublagem, o prédio foi leiloado recentemente, por R$ 1,7 milhão, a um grupo de empresários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.