Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Abadia de Santa Maria: costumes milenares em prédio modernista

No local, é possível assistir missa com canto gregoriano e provar um dos melhores licores caseiros de São Paulo

O Estado de S. Paulo

11 de dezembro de 2015 | 16h41

A Abadia de Santa Maria (Av. Coronel Sezefredo Fagundes, 4650, Vila Cachoeira) é uma das jóias do distrito do Tucuruvi, na zona norte da cidade. Patrimônio histórico de São Paulo desde 2012, a construção atual foi inaugurada em 1974. O projeto do prédio é do arquiteto austríaco Hans Broos. Os jardins foram planejados por Burle Marx. A comunidade, formada por vinte monjas, segue preceitos beneditinos em um espaço de 6 mil metros quadrados. Os costumes da ordem contrastam com o claustro modernista ao pé da Serra da Cantereira.

Em 1911, a Abadia de Santa Maria surgiu como o primeiro mosteiro da Ordem de São Bento a abrigar mulheres, nas Américas. Antes de ser transferida para a zona norte, a sede ficava na Rua São Carlos do Pinhal, no terreno em que hoje funciona o hotel Maksoud Plaza (perto da Avenida Paulista). Na ocasião, a abadia foi erguida com o dinheiro da irmã Ana Abiah da Silva Prado (chamada de irmã Gertrudes Cecília após ingressar na ordem), que pertencia a uma tradicional família paulista. Ana (Gertrudes), junto com outras monjas brasileiras, eram da Abadia de Stanbrook, na Inglaterra. Após quatro anos de estudos, voltou ao Brasil com o intuito de abrir um claustro aqui, junto com outras seis religiosas (três inglesas e três brasileiras).

A mudança para a zona norte ocorreu devido aos altos prédios que começaram a ser erguidos na região e que prejudicavam a privacidade das freiras.

As tradições, porém, foram mantidas. As missas ainda são celebradas com canto gregoriano e são abertas ao público às 7h15 aos sábados e às 9h aos domingos. Para esticar o passeio, há um bazar com produtos produzidos na abadia. Um dos melhores licores da zona norte é feito pelas mãos das irmãs beneditinas. Com propriedades supostamente medicinais, usa 18 tipos de plantas diferentes. Há também licores de outros sabores como anis, canela e maracujá.

O bazar funciona das 9h às 17h e as encomendas podem ser feitas também pelo telefone. Além das bebidas, são vendidos também objetos de artesanato, pães, biscoitos, bolos e ingredientes cultivados no local, como cogumelos shiitake e hortaliças. 

 

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    BairrosSPTucuruvi e Parada Inglesa

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.