Tiago Queiroz/AE
Tiago Queiroz/AE

A volta para casa no meio do lixo

Como os veículos de coleta só podem passar depois das 21 horas por causa da restrição a caminhões, sacos se acumulam pelas ruas da cidade após 18 horas

Márcio Pinho, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2011 | 00h00

Voltar para casa à noite em alguns de bairros de São Paulo é como andar em um lixão a céu aberto. Após as 18 horas, calçadas ficam tomadas por sacos e mau cheiro. Este é o horário a partir do qual é permitido colocar o lixo do lado de fora em vias de coleta noturna. Como os caminhões de coleta só podem circular das 21h em diante por causa da restrição aos caminhões imposta pela Secretaria dos Transportes, pedestres têm de, nesse intervalo, desviar dos sacos e detritos que se espalham com a ação de mendigos e carrinheiros.

Para piorar, a liberação do tráfego de caminhões às 21h não é sinônimo de limpeza imediata - em alguns pontos, eles só aparecem na madrugada.

A reportagem circulou por duas noites pela cidade e constatou que bairros com condomínios e atividade comercial tendem a ser mais problemáticos. Em Santa Cecília, na região central, quem deixa o metrô à noite desvia do lixo em praticamente todas as ruas vizinhas. Na Alameda Barros, o lixo posto na calçada às 18h já estava espalhado às 20h. Só seria recolhido após as 24h.

O mesmo ocorre em vias de Pinheiros e Jardins. Na Avenida Brigadeiro Luís Antonio, a reportagem contou mais de 40 sacos de lixo em um mesmo ponto às 20h50.

A restrição vai das 16h às 21h. A Loga, coletora na maior parte da zona de restrição, reclama que caminhões ficam parados enquanto o lixo se espalha. Dos 88 veículos que a empresa afirma serem necessários para a coleta à noite, 49 obtiveram liberações excepcionais da Secretaria dos Transportes. Portaria do então secretário Alexandre de Moraes, de 2008, que permitia o trânsito de veículos de coleta em período integral, foi revogada no ano passado.

O diretor-presidente da Loga, Luiz Gonzaga Alves Pereira, pede a liberação dos veículos. "Não vejo como mais alguns caminhões poderiam afetar o trânsito. A coleta é serviço essencial."

A concessionária também sofre pressão do Siemaco, sindicato do setor, que reclama que, por causa das altas horas, funcionários chegam a fazer quatro horas extras, além das sete normais.

O acúmulo de lixo no horário da restrição também se repete em áreas sob responsabilidade da Ecourbis. Os sacos ficam horas nas ruas de Moema, como a Divino Salvador. A empresa diz considerar que a coleta é normal na região.

A presença do lixo causa transtornos de vários tipos. Nas Ruas das Palmeiras e Sebastião Pereira, em Santa Cecília, por exemplo, lojas despejam lixo a obstruem a calçada. Há papelão especialmente colocado para carrinheiros e até lixo depositado durante a tarde, de forma irregular.

A reportagem encontrou na área sete focos de lixo revirado por volta das 22h. Moradores apontam como uma das causas da situação a migração de desocupados após a polícia intensificar ações na cracolândia, a poucas quadras dali. Eles afirmam que a falta de fiscalização da Prefeitura facilita o aparecimento de colchões e sofás abandonados.

Outra queixa diz respeito à demora da coleta. "Precisa haver maior sincronia, porque fica muito ruim andar em meio a esse lixo. Os comércios fecham, mas os moradores ficam", diz Carlos Jardim, que vive no bairro há 16 anos.

A Loga afirma que a coleta precisa seguir um roteiro para que os caminhões se desloquem de "maneira racional", sem ficar voltando aos mesmos pontos. Em vias como a Alameda Barros, a presença de bares e restaurantes faz a coleta ser mais tarde.

A Secretaria dos Transportes afirma que o cadastro para transitar na zona de restrição é feito pela internet e a própria empresa cadastra os veículos. Segundo a pasta, a Loga recebeu autorização para todos os veículos que cadastrou.

A secretaria afirma que já ampliou o horário de circulação dos caminhões após pedidos da empresas de coleta e tirou a restrição das 5h às 10h.

Multas. O Limpurb, órgão da Prefeitura que gerencia o serviço, informou que está elaborando estudo com a Loga para a readequação logística do recolhimento de lixo domiciliar na região central. O órgão diz que aplicou mais de 400 multas na região central neste ano por lixo fora de horário.  

PRESTE ATENÇÃO...

1. O lixo tem de ser colocado na calçada no máximo duas horas antes do horário previsto para a coleta regular (os horários podem ser consultados no site www3.prefeitura.sp.gov.br/limpeza_urbana).

2. Caso a coleta seja noturna, é permitido colocar o lixo após as 18h, sem se levar em consideração a regra das duas horas.

3. O desrespeito ao horário e colocação do lixo em local inadequado podem render multas que variam entre R$ 50 e R$ 500.

4. Grandes geradores de resíduos - estabelecimentos e condomínios que produzem, respectivamente, mais de 200 litros e mil litros de resíduos por dia, devem contratar coleta particular.

5. Os sacos devem sempre ser colocados na calçada na frente do imóvel que produziu o lixo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.