A vizinha 'Cadopô' será anexada e vai ampliar capacidade

Outra promessa antiga que deve sair do papel ainda neste ano é a reforma do edifício contíguo ao Ramos de Azevedo, conhecido como Cadopô (Casa do Politécnico). O prédio foi erguido na década de 1950 para abrigar a moradia estudantil e o Grêmio da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, que funcionava na atual sede do arquivo. Abandonada há décadas, a Cadopô foi importante reduto do movimento estudantil na ditadura militar entre os anos 1960 e 1970.

O Estado de S.Paulo

05 Março 2012 | 03h02

O imóvel foi desapropriado pela Prefeitura em 2008 por R$ 1,1 milhão e agora vai ser integrado ao Ramos de Azevedo. O nome vai mudar para Torre da Memória Paulistana e ampliará a capacidade de armazenamento do Arquivo. O investimento estimado é de R$ 2,6 milhões. / E.V. e R.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.