A utopia do trânsito livre!

Lavagem de quê?

TUTTY HUMOR, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2012 | 03h05

Ao dizer que seu cliente está "de alma lavada" com o voto do ministro Ricardo Lewandowski, o advogado do deputado João Paulo Cunha deixou escapar o que talvez seja pista de um grande esquema de lavagem de almas no STF.

No seco anda

São tantas as comparações de São Paulo com o Deserto do Saara que já podiam estar explorando o passeio turístico de camelo pelo centro histórico da cidade nos fins de semana.

I love Tupã

Sempre à frente de seu tempo, Tupã (435 km de São Paulo) fez publicar no Diário Oficial do Estado a primeira Escritura Pública de União Poliafetiva registrada em cartório da cidade entre um homem e duas mulheres do Rio. Parece que tem gente de todo o Brasil migrando para lá!

Vai que...

A filha do ministro Marcelo Crivella, da Pesca, escapou de um sequestro relâmpago em Brasília gritando para seu algoz "você está amarrado em nome de Jesus", mas ninguém deve tentar repetir a reação de Deborah Christine quando chegar sua vez, ok?

Aí tem!

Por que diabos Gilmar Mendes está tão quietinho? Só se fala disso no STF!

Dica da virada

Vai até as 20h deste sábado a azaração que tem rolado na fila do Caravaggio no vão do MASP.

"Neurótico, eu?"

O que mais chateia João Gilberto na sua biografia não autorizada que a Justiça liberou para venda é, lá pelas tantas, ser chamado de neurótico. Isso quer dizer o seguinte: o artista está ficando esquecido!

É cedo ainda para se alimentar sonhos com um mundo sem engarrafamentos, mas na primeira voltinha que deu nesta última quarta-feira pela superfície de Marte, o veículo-robô Curiosity encontrou condições de trânsito invejáveis para qualquer terráqueo atormentado com as dificuldades de ir e vir em nosso planeta.

Pelos 15 minutos de imagens colhidas em movimento e transmitidas para a Terra, afora a fartura de buracos, tudo que se encontra pelo caminho livre de congestionamentos no Planeta Vermelho é muito diferente daqui.

Lá não existem, por exemplo, postos de pedágio, blitz da lei seca, quebra-molas, radar, marcianinhos fazendo malabarismos ou vendendo balas em cruzamentos, animais na pista, nada disso.

Parece mentira, mas - a não ser que, justo na hora do passeio do Curiosity estivessem todos em greve ou trancados em casa assistindo ao julgamento de algum mensalão extraterrestre na TV - não existem manobreiros ou flanelinhas em Marte.

O pessoal da Nasa está encantado! As chances de vida inteligente num lugar assim são, convenhamos, sempre maiores. Não tem nada mais estúpido do que uma civilização retida no trânsito.

Basta!

E os três travestis que atacaram o jornalista Carlos Nascimento, hein? Que coisa! Não dá mais para viver em São Paulo!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.