A SP de hoje com cliques anos 50

Fotógrafo usa a Praça da Sé como fundo para mostrar as diferentes faces de São Paulo

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo

28 Março 2011 | 00h00

"Adorei ser fotografada aqui porque o centro é a cara da mistura paulistana", diz a atriz Renata Ricci, de 29 anos. "Aqui tem mendigo e tem gente com grana, tem gente do mundo todo, é um espaço muito democrático." Mais especificamente, ela está falando da Praça da Sé, marco zero da capital paulista. E ela foi fotografada ali, tendo a catedral ao fundo, como parte de um curioso projeto do fotógrafo paulistano Angelo Pastorello.

Munido de uma câmera Kodak da década de 50, tal e qual um "lambe-lambe" das antigas, ele tem se dedicado a fazer retratos de anônimos que passam pela Praça da Sé. Seu projeto é reunir os melhores retratos em livro e fazer uma exposição com as fotos, ressaltando as diferentes etnias que se cruzam no centro da metrópole. "Este lugar é a síntese do Brasil. Aqui tem o feio e o bonito, o gordo e o magro...", explica. "E a ideia é ter sempre a catedral emoldurando a foto."

Até agora, Pastorello já fez cerca de 70 retratos para o projeto, em dois dias de trabalho. "De cada dez pessoas abordadas, oito topam", diz ele, surpreso com a receptividade. "Isso me chamou a atenção porque nós, paulistanos, vivemos com medo de tudo." E, se depender de sua empolgação, o projeto não acaba com a publicação do livro - e exibição da mostra. "Já imaginou se todos os anos eu fizer um pouco disto? Daqui a 20 anos teremos um registro da evolução estética das pessoas, suas roupas e seus jeitos", vislumbra.

Personagens. A atriz Renata é paulistana do Ipiranga, mas há dois anos mora no Rio. Quando foi clicada por Pastorello, estava em São Paulo a trabalho. "Achei a ideia muito interessante. A Praça da Sé é muito simbólica", comenta ela. Posou segurando estojo de maquiagem. "Na verdade, entre uma foto e outra, eu fui conferir a maquiagem. Então achamos que poderia ser uma cena bacana", conta. "A mulher paulistana é isso mesmo, tem tudo a ver com vaidade."

Outra das retratadas é a fotógrafa e produtora de elenco Fernanda Batista Gomes, de 36 anos. Nascida em Salvador, ela vive em São Paulo há 12 anos. "E sou apaixonada por esta cidade. Só que, por incrível que pareça, esta é minha única foto no centro de São Paulo, acredita? O centro é lindo, maravilhoso."

O fotógrafo. Com o projeto, além de retratar as diferentes pessoas que passam pelo centro paulistano, Pastorello procurou resgatar a figura do lambe-lambe, cada vez mais raro. Mas não é a primeira vez que o fotógrafo de 51 anos, paulistano de Santa Cecília, brinca com a cidade por meio de seus cliques.

Em 2008, por exemplo, ele decidiu produzir um ensaio fotográfico da cidade em fotos distorcidas. Utilizou uma câmera pinhole - uma caixa escura, sem lente nem visor, apenas com um orifício - para registrar locais como o Mercadão, o Aeroporto de Congonhas e a Estação da Luz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.