A quem recorrer?

Moro no Morumbi há muitos anos e sempre fico sabendo sobre os constantes assaltos na região até que, no dia 17/7, por volta das 20 horas, saí de minha casa com meu marido e mais um casal de amigos e quase fomos vítimas de um arrastão na Rua Francisco T. Carvalho, o conhecido "ladeirão". Essa rua liga a Avenida Giovanni Gronchi à Avenida Morumbi e passa pelo meio da Favela Paraisópolis. Quase no final da ladeira há uma lombada eletrônica, onde os carros reduzem a velocidade. Nesse dia, um homem apontou uma arma para nós, mas conseguimos sair dali sem sofrer nada, por sorte. Ligamos para polícia, no 190, para relatar o que estava ocorrendo. Disseram que, como não sabíamos o nome da rua, apesar de darmos todas as referências, não podiam fazer nada! Pediram para ligarmos para a delegacia do Morumbi. Só conseguimos relatar o caso muito tempo depois, quando os marginais já deviam estar bem longe dali. Não entendo por que tiraram um posto policial que havia no final dessa rua, já que é um lugar perigoso e um acesso importante para os moradores do bairro à Avenida Morumbi e à Marginal do Pinheiros.

, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2010 | 00h00

MARIA CRISTINA G. TEIXEIRA / SÃO PAULO

A Polícia Militar (PM) informa que os fatos apontados estão sendo considerados em seu planejamento operacional. O local citado é

atendido pela 5ª Companhia do 16º Batalhão de PM Metropolitano (BPM/M) com programas de policiamento como o radiopatrulhamento, policiamento com motocicletas, além da Força Tática. Alerta que a comunidade pode auxiliar por meio do Disque PM(0800-0555190), do Disque Denúncia (181), do Fale Conosco (www.policiamilitar.sp.gov.br) e, em caso de emergência, pelo telefone 190.

PROPAGANDA POLÍTICA

Degradação do bairro

Moro na Avenida Miruna, Indianópolis, há 56 anos. Apesar da mudança no perfil do bairro nestes últimos anos, meus vizinhos e eu estamos surpresos e decepcionados com a instalação de um comitê eleitoral de um candidato no local. De um dia para o outro foi construída uma estrutura fora dos padrões permitidos, em ferro e lona; a casa e a calçada foram pintadas de verde e amarelo; acabaram com a visão que eu tinha do exterior de casa; e ainda agora me sinto insegura, pois a estrutura instalada pode ser escalada, dando direto para os dormitórios. O pior é que nenhum comércio da região apresenta uma propaganda tão grande! Parece que a Lei da Cidade Limpa não vale para políticos. De nada adiantou argumentar com os responsáveis. Nós, moradores, não temos mais a quem recorrer, pois a Prefeitura, apesar dos diversos chamados feitos ao 156, nada fez até hoje!

ANA CRISTINA MARUCA

/ SÃO PAULO

A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Coordenação das Subprefeituras informa que, após realização de vistoria ao endereço citado, encaminhou ofício relatando o problema ao Tribunal Regional Eleitoral, para que as devidas providências sejam tomadas pelo órgão, conforme legislação federal. Ressalta a importância da população na realização de denúncias pelo telefone 156, pelas Praças de Atendimento das subprefeituras ou pelo site da Prefeitura http://sac.prefeitura.sp.gov.br/.

EDUCAÇÃO PÚBLICA

Vaga só para uma das filhas

Tenho filhas gêmeas que já completaram 5 anos e, desde o início deste ano, tento em vão vaga para elas numa pré-escola. No ano que vem, elas vão para a escola totalmente despreparadas. Isso me entristece, pois meus direitos e os delas não estão sendo respeitados. Já fui pedir ajuda ao Conselho Tutelar, que disse para eu esperar, mas até quando? Moro na Rua Jaime Mainhani, na Brasilândia, e a escola mais próxima seria a Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Cel. José Canavó Filho. Tenho dois protocolos de lá. Eu tinha conseguido vaga numa creche para elas, mas tive de tirá-las, porque na creche não havia porta nos banheiros. Elas ficavam com vergonha e choravam todos os dias. Sei que deveria ter denunciado essa situação. Hoje só peço a colaboração do secretário de Educação ou do setor responsável.

CLEIDE MARIA DA SILVA SANTOS / SÃO PAULO

A Diretoria Regional de Educação da Freguesia do Ó-Brasilândia informa que as duas filhas da leitora sra. Cleide ocupam, respectivamente, as posições de nº 1 e 2 da lista de candidatos cadastrados na região escolhida pela família. Esclarece que as crianças serão matriculadas tão logo surjam as vagas. Os responsáveis poderão consultar a situação de suas filhas por meio do Portal da Educação (http://www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br) ou por listagem afixada em qualquer escola do mesmo distrito ou setor.

A leitora esclarece: A escola ligou. Consegui vaga só para uma das gêmeas, mas e a outra?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.