A prefeitos, Alckmin demonstra confiança de que racionamento não será decretado

Segundo políticos, governador confia que obras de transposição e tratamento da água da Billings ajudarão a evitar o corte

Felipe Resk, José Roberto Castro, O Estado de S. Paulo

14 Fevereiro 2015 | 01h36

Na reunião dessa sexta-feira (13) com os prefeitos da região metropolitana, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) demonstrou confiança de que o racionamento não vai ser decretado em São Paulo. Segundo políticos dos governos estadual e municipal, Alckmin confia que as obras de transposição e o tratamento da água da Represa Billings ajudarão a evitar o corte.

Perguntado sobre a influência de um possível racionamento na popularidade do prefeito Fernando Haddad (PT), um interlocutor do prefeito disse, demonstrando certo ceticismo: "O Alckmin nos garantiu que não vai ser necessário o racionamento, mas se houver, claro que afeta. As pessoas confundem".

Outro argumento usado pelo governo estadual para não racionar água é a melhora nos índices dos mananciais. A expectativa é de que as obras de transposição sejam concluídas em tempo suficiente para passar o período de seca.

O Estado apurou que prefeitos decidiram confiar no governador, mas pediram, ainda assim, que seja desenvolvido e apresentado um plano de racionamento caso o cenário otimista não se confirme.

Sobre os índices de contaminação da água da Billings, uma fonte disse: "O Alckmin falou que é mais fácil de tratar do que água de chuva". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.