'A pessoa baixa a guarda nesses locais', diz delegado-geral

Sensação de segurança é tão grande que muitas vezes o crime não é percebido na hora; estepe virou o principal alvo

O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2012 | 03h05

O delegado-geral de São Paulo, Marcos Carneiro Lima, afirma que a população baixa a guarda e toma menos cuidados por achar que está em segurança dentro dos shoppings. "Se estaciona um carro na rua, a pessoa coloca um pacote no porta-malas, por exemplo. Em um local fechado, onde tem câmera, pode baixar a guarda, pensando que o ladrão não vai ter ousadia de praticar o crime."

Às vezes, a sensação de segurança é tão grande que a população sequer percebe que foi vítima do crime. É o caso dos comerciantes Leonel e Tânia Sardinha, ambos de 27 anos, que relataram só posteriormente o furto de um estepe no Shopping Anália Franco. "Os criminosos deixaram outros objetos, como um tablet, e levaram apenas o pneu. Fizeram para ela não descobrir na hora", afirma Leonel. O casal pretendia processar o shopping. No entanto, depois que o Estado contatou a Assessoria de Imprensa do lugar, o centro de compras resolver ressarcir a cliente.

Os estepes estão entre os alvos preferidos dos criminosos. Carneiro afirma que eles são produtos de alta demanda no mercado negro, ou seja, são facilmente vendidos. "O cidadão comum vê a possibilidade de pagar R$ 200 em uma coisa que poderia pagar R$ 1 mil. Esse estímulo movimenta essa cadeia criminosa."

Especialista em segurança pública, o coronel da reserva José Vicente da Silva afirma que, em um primeiro momento, pode haver falhas na segurança dos shoppings onde há grande incidência de furtos, e eles precisam investir em postos de observação, iluminação, câmeras e motocicletas fazendo rondas.

Segundo o coronel, os órgãos de segurança pública também têm responsabilidade, embora os centros de compras sejam particulares. "Nas saídas, a PM pode fazer ações esporádicas de fiscalização de veículos, com vistas ao transporte de mercadoria suspeita, como estepe, por exemplo. Já a Polícia Civil trataria de prender os ladrões por meio de informantes."

Cuidados pessoais. O especialista em segurança pública diz que os próprios frequentadores podem colaborar. "Na medida do possível, vale a pena evitar colocar o carro em locais fora de foco dos vigias. É importante deixar perto dos postos de observação e também das saídas, por onde passam mais funcionários do shopping." /A.R. e W.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.