Evelson de Freitas/AE - 19/10/2010
Evelson de Freitas/AE - 19/10/2010

A nova Virada de São Paulo é sustentável

Inspirada em maratona cultural, evento em março do ano que vem terá tema ambiental

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2010 | 00h00

A Virada Cultural serviu de inspiração para mais um evento de fim de semana em São Paulo: a Virada Sustentável, que acontece em março de 2011, mas ainda não tem dia exato definido. A ideia é que seja uma maratona de arte e diversão, mas sirva para tratar de temas como lixo, poluição e mobilidade urbana.

Sete parques da cidade e uma dezena de museus, espaços culturais e ruas receberão 170 atrações, como shows de música, teatro, cinema, exposições e intervenções artísticas. A virada pretende difundir informações sobre sustentabilidade em apresentações de artistas que já demonstram essa preocupação.

"Será um evento sobre meio ambiente, mas nada de debates. Só haverá atrações que chamem o interesse das pessoas", diz o jornalista André Palhano, que lidera o projeto. A expectativa é de que o evento atraia cerca de 2 milhões de pessoas.

Já estão confirmados nomes como Lenine, Hermeto Pascoal, MV Bill, Falamansa e balé Cisne Negro. Nos principais palcos, nos Parques do Ibirapuera, Carmo e da Independência, as atrações serão apresentadas pelos Doutores da Alegria. Ao contrário do que ocorre na Virada Cultural, as atividades não vão atravessar a madrugada. "Queremos propor uma virada de consciência", disse Palhano.

Por toda cidade, haverá esculturas, painéis de grafite e instalações. O artista Guto Lacaz, por exemplo, vai colocar uma dezena de piscinas no Rio Pinheiros e criar "ilhas de água limpa" no curso d"água poluído.

Para garantir a qualidade e relevância das atrações, a organização montou um Conselho Curador. O artista Eduardo Srur compõe o grupo - que conta com nomes como Flávio Comin, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), e Márcia Hirota, da Fundação SOS Mata Atlântica. "O conselho é um celeiro de ideias para fortalecer o conceito e não chegarmos na rua com algo sem rumo", diz.

Srur - que é conhecido por vestir estátuas da cidade com coletes salva-vidas - também participa como artista. Uma de suas obras será um labirinto de lixo de 250 metros quadrados. "Essa obra é simbólica de como as pessoas lidam com o resíduos."

Engajamento. A ideia da virada surgiu há um ano e meio e era para ser apenas alguns shows em um centro cultural. Mas o projeto cresceu quando ganhou apoio da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente e da agência de publicidade Lew, Lara\TBWA. A empresa abraçou a virada de modo voluntário.

Uma equipe de 15 profissionais está envolvida no desenho da estratégia de comunicação, assim como na busca por empresas parceiras. "A gente não vai fazer algo que seja apenas de fachada sustentável. As atrações vão falar por si só", explica o vice-presidente de atendimento da agência, Márcio Oliveira.

A preocupação é que a virada não seja apenas uma propaganda ambiental, mas que funcione na prática. A organização pretende neutralizar a emissão de carbono e ter cuidado com o lixo e o uso de materiais recicláveis. O objetivo é que a Virada se torne um evento anual.

ALGUNS DESTAQUES

Projeto Caçambas

Uma intervenção feita pelo coletivo Irmãos Green que ilustra uma caçamba e, no lugar do entulho, abriga vários tipos de flores. Estará em alguns pontos da cidade.

Uakti

Grupo que faz música com instrumentos de tubos de PVC, garrafas plásticas, metais e pedras. Apresenta especialmente o álbum Águas da Amazônia.

Mawaca

Há 15 anos, une os quatro cantos do mundo em suas músicas, com letras em vários idiomas.

Painel Speto

O grafiteiro Speto fará um painel metros misturando técnica de grafite e plantas em um jardim vertical.

Entretodos

O renomado festival de curtas de Direitos Humanos realiza uma edição especial na Virada Sustentável, com curadoria de de Jorge Grinspum.

BiciPark Tour SP

Dez esculturas servem como estacionamento de bicicletas e formam um tour para ser percorrido de bike.

Homem Refluxo

Cinco personagens armazenarão os resíduos do dia a dia em uma capa de plástico transparente. Eles começarão a maratona uma semana antes da virada. A ideia nasceu em 2003 e já foi mostrada na Europa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.