A moda é customizar a guirlanda

Vale todo tipo de material, de ursinhos de pelúcia a temperos como pimenta e alecrim, para deixar o arranjo mais criativo

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

26 Novembro 2011 | 03h04

A arquiteta Alessandra de Castro, de 40 anos, pendurou na porta de seu apartamento uma guirlanda feita com 15 ursinhos de pelúcia. E arrematou o arranjo com laços e bolas. Tudo nos tons roxo e lilás. O enfeite virou atração da criançada do prédio, que agora para no andar de Alessandra só para ver os ursinhos.

Há várias guirlandas tradicionais de Natal já decoradas à venda. Mas a tendência é a customização. "E para isso basta reaproveitar a estrutura da guirlanda do ano passado e abusar da criatividade. Não é necessário nem se prender às cores típicas do Natal - verde, vermelho e dourado", ensina Alessandra.

"Eu escolhi os ursinhos porque acho que o Natal tem tudo a ver com criança." Ela gastou R$ 85 na compra dos bichos, laços e das bolas.

A chef Carla Pernambuco recorreu aos temperos de sua cozinha. Usou galhos de alecrim e ramos de pimenta vermelha e verde para cobrir um arco de madeira preso com arame flexível. Depois, colocou angélicas, flor conhecida pelo forte perfume.

"O problema desse arranjo é que ele é muito perecível", diz Carla. "A minha dica é trocar a flor natural por uma artificial."

Muitos dos enfeites do arranjo da chef foram tirados do seu próprio acervo, caso dos laços feitos com retalhos de avental, com estampas de passarinhos e borboletas. "Todo mundo tem coisas guardadas em casa que podem ser usadas para isso."

A guirlanda é um arranjo que diz muito sobre a personalidade do dono da casa. A arquiteta gaúcha Camila Klein, de 31 anos, trouxe do Sul os enfeites mais tradicionais de sua região, como romã e uva. "Mas dá para comprar tudo em lojas como a K&D e Cecília Dale."

Camila gastou cerca de R$ 500. "É que minha porta é pivotante. Precisava de uma guirlanda maior, de 80 cm de diâmetro. Uma dessa para porta tradicional sairia por R$ 300."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.