A medida pode amenizar o problema do crack?

SimÉ uma medida que pode ajudar a diminuir o problema. Mas é inocente achar que a internação vai acabar com a cracolândia. É um problema de saúde, mas também econômico, social e urbanístico. Se uma pessoa perdeu o controle da vida por causa da droga, abandonou a família e está em péssimas condições, não oferecer o tratamento é desumano. A internação involuntária está na lei. É ético, certo e justificável.

O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2013 | 02h04

NãoA internação involuntária só se justifica quando há risco iminente à vida do paciente. Só me parece uma alternativa válida para casos absolutamente excepcionais e por um período curto: uma internação para passar o surto, por exemplo. Tratar essa questão de forma coletiva pode ter um custo irreversível, que é o cerceamento em massa da liberdade. Outro problema é a falta de controle: só se avisa o MP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.