A Londres de hoje e de ontem, pela tela do iPhone

Andar por Londres é estar em contato simultâneo com o passado e o presente, uma mistura harmônica entre vanguarda e aristocracia. O Museu de Londres tornou essa definição ainda mais literal ao levar para a tela do iPhone seu acervo de imagens da cidade que já foi chamada de "capital do mundo".

, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2010 | 00h00

A ideia é simples: ao passar por Piccadilly Circus ou Regent Street, não seria legal ver como eram esses lugares décadas ou séculos atrás? O aplicativo Streetmuseum, criado pela agência Brothers and Sisters a pedido do Museu de Londres, faz exatamente isso: mostra fotografias ou obras de arte de mais de 200 pontos da capital inglesa na tela do iPhone.

O aplicativo usa o GPS do aparelho, caso ele esteja habilitado, para localizar o usuário e indicar no mapa da cidade pontos com arquivos disponíveis. Chegando lá, basta carregar a imagem na tela e comparar a Londres de hoje e de ontem. Se você tem um iPhone e uma passagem para a Inglaterra, vale a pena acessar museumoflondon.org.uk antes de embarcar e comprovar como passado e presente convivem tão bem nas ruas londrinas.

Mascar tabaco faz mal a ponte metálica

Nem chuva, nem o fluxo diário de 60 mil veículos. O que mais ameaça uma ponte em Calcutá (Índia) é o milenar hábito de mascar paan (uma mistura de tabaco, nozes e frutas enrolados em folha de pimenteira). A acidez da goma cuspida por muitos dos 50 mil pedestres que passam todo dia pela Howrah Bridge corrói a estrutura metálica de cantilever, uma das maiores do tipo no mundo, construída pelos ingleses em 1943. Em Mumbai, quem cospe paan nos trens pode ser obrigado a limpar o local.

Seul, a cidade mais rápida da internet

Uma empresa de Seattle, nos Estados Unidos, achou explicação para a fama de viciados em internet dos sul-coreanos. Seul lidera o ranking mundial de velocidade feito pelo site Speedtest.net, com média de 34,49 Mbps. Ficou com inveja? É compreensível: a velocidade média no Brasil medida pelo site é de 3,49 Mbps.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.